Atendente sênior do Hopi Hari presta depoimento sobre morte de adolescente

Operadores da atração La Tour Eiffel disseram ter informado o funcionário sobre o problema na trava do assento de Gabriella

Tatiana Favaro - O Estado de S. Paulo ,

09 Março 2012 | 20h11

CAMPINAS - O atendente sênior do Hopi Hari Lucas Martins, funcionário ao qual levam os depoimentos de cinco operadores do brinquedo no qual morreu a adolescente Gabriella Nichimura, no último dia 24, depôs à polícia e Promotoria nesta sexta-feira, 9.

O delegado Álvaro Santucci Noventa Júnior afirmou apenas que o relato de Martins foi importante e esclarecedor. "Não vou falar sobre o que ele disse, mas nos auxiliou a uma melhor compreensão sobre o que ocorreu, somado ao que trazem outros depoimentos", afirmou.

Cinco operadores da atração La Tour Eiffel, da qual caiu a menina Gabriella, admitiram em depoimentos anteriores que sabiam que a cadeira na qual sentou a garota naquele dia, na seção 3, era inoperante. Todos disseram saber também que a trava daquele assento, que sempre permaneceu fechada, estava solta naquela sexta-feira. Eles afirmaram que a informação foi levada a Martins antes da abertura do parque. A orientação do superior, segundo relato de ao menos três operadores, teria sido a de prosseguir com a atividade enquanto ele acionaria funcionários da manutenção.

O delegado não confirmou se o atendente recebeu a chamada de um subalterno, nem divulgou suas alegações sobre a sequência relatada pelos operadores. Noventa Júnior também ouviu hoje um técnico de manutenção do parque. Pelo segundo dia consecutivo, o delegado ouviu os depoimentos no parque em vez de colher os relatos na delegacia, onde ocorreram os outros oito depoimentos, incluindo os da família da vítima.

Na segunda-feira, o delegado, promotores, representantes do parque e profissionais técnicos de órgãos como Instituto de Criminalística de Campinas, Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea) e Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) envolvidos na vistoria iniciada no dia 5 no Hopi Hari se reúnem para avaliar os trabalhos. Até agora, dez brinquedos foram vistoriados. Faltam quatro atrações, para completar a lista de brinquedos escolhidos para passar por análise de especialistas.

O "elevador" no qual ocorreu o acidente tem 69,5 metros de altura. Segundo a polícia, Gabriella estava a uma altura entre 20 e 30 metros do chão quando caiu.

Mais conteúdo sobre:
Hopi HariparqueVinhedoGabriella

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.