'Até quem não nasceu me odeia', diz o humorista Rafinha Bastos DVD de filme brega some no Cine Don José Osesp atrasa 20 minutos, mas dá bis Apresentador ganha simpatia do público

Assim que entrou no palco Stand Up, por volta da 1 hora de ontem, Rafinha Bastos (foto) começou a falar dos processos que enfrenta na Justiça. "Bem-vindos ao encontro nacional de pessoas que estão processando Rafinha." O humorista disse estar em um momento difícil. "Até quem não nasceu me odeia", afirmou, referindo-se ao processo que levou de Wanessa Camargo ao dizer que "comeria ela e o bebê" quando a cantora estava grávida.

O Estado de S.Paulo

07 de maio de 2012 | 03h02

Rafinha também foi alvo de críticas do jogador Ronaldo. "Quem sai com travesti que morreu de aids para cheirar cocaína não está apto a julgar pessoas." Comentou ainda sobre o processo que levou da Apae. "Sempre fui chamado de mongoloide e retardado. Achei que estava representando um grupo e eles me processam", disparou. "Desculpe, foi só uma piada", repetia a cada declaração.

Um estresse ocorreu no Cine Don José, templo do cinema pornô do centro de São Paulo. O DVD do documentário Vou Rifar Meu Coração, sobre a música brega brasileira, sumiu na hora da exibição. Na sala ao lado, o Cine Olido apresentou Dançando na Chuva, com sala cheia e espectadores jovens, que saíram levinhos, levinhos. "Dá vontade de dançar", disse Sílvia, de 28 anos, que não quis dar o nome todo.

O atraso de 20 minutos na apresentação da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp) foi atribuído ao som que chegava de outros palcos, em especial do Boulevard São João, dedicado a Elis Regina. Interpretaram três canções de Manuel de Falla, com solos da meio-soprano Luciana Bueno, e trechos de Quadros de uma Exposição, de Mussorgsky. Os 30 minutos de música não foram suficientes e o público pediu mais. Os músicos já deixavam o palco quando o maestro Eduardo Portal resolveu dar um bis.

O Palco Arouche, destinado prioritariamente para cantores românticos e bregas, como Byafra (foto) e Dalvo, teve uma outra estrela: o apresentador do palco. Como mestre de cerimonias, um simpático senhor de 85 anos ganhou o apreço do público com seu jeito de locutor de rádio dos anos 1950.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.