Até furto de taça vai ser apurado

Até mesmo na distribuição das taças do carnaval houve confusão, anteontem, no Anhembi. Um integrante da vice-campeã Rosas de Ouro foi detido, acusado de furto, após pegar por engano o troféu destinado à 5.ª colocada. Ele foi solto, mas a polícia ainda apura a situação.

WILLIAM CARDOSO, O Estado de S.Paulo

23 de fevereiro de 2012 | 03h02

O segurança Bruno Raimundo Amaral, de 28 anos, foi preso quando tentava deixar o sambódromo com o troféu. Ele alegou que pegou a peça por engano, versão que teria sido confirmada por integrantes da Liga Independente das Escolas de Samba. Sem a queixa, foi solto.

A Rosas confirmou que seu integrante foi detido por engano. Segundo sua assessoria de imprensa, com os troféus amassados após o tumulto e sem identificação, ele pegou o primeiro que viu. A Liga afirmou que só se pronunciará após confirmação da veracidade do caso pelas autoridades.

Vice-campeã, a Rosas foi voto vencido na reunião que definiu anteontem à noite, por 7 a 5, a Mocidade Alegre como a campeã. Segundo a escola, ainda seria possível conquistar o título com as duas notas restantes, que foram rasgadas pelo componente da Império de Casa Verde.

Uma primeira reunião havia definido que o resultado só seria divulgado ontem. De acordo com a Rosas, dirigentes de Mancha Verde e Águia de Ouro já haviam ido embora quando foi feita a segunda reunião, com votação favorável à manutenção da Mocidade como campeã. Votos das duas escolas poderiam empatar a decisão.

Mesmo assim, a Rosas pretende participar do desfile das campeãs na sexta. Segundo a escola, contratos assumidos com TV, Prefeitura, patrocinadores e empresa de venda de ingressos serão cumpridos. A Rosas ainda afirmou que não contestará o resultado judicialmente. Já a Camisa Verde e Branco, rebaixada, diz que pretende ir à Justiça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.