Até fim do ano, Haddad vai licitar R$ 10 bi em obras

Prefeito usa recursos do PAC e quase atinge meta de investir R$ 6 bilhões anuais; foco será a infraestrutura da cidade

ARTUR RODRIGUES , O Estado de S.Paulo

08 de agosto de 2013 | 02h01

O prefeito Fernando Haddad (PT) anunciou ontem em apresentação a empresários que vai licitar cerca de R$ 10 bilhões em obras até o fim deste ano. Ele afirmou que só o dinheiro do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) garantiu que os investimentos praticamente dobrassem nos próximos três anos, beirando a meta de R$ 6 bilhões ao ano.

Além do financiamento do governo federal, que é de R$ 8 bilhões, as outras fontes de financiamento são o tesouro municipal e as verbas de operações urbanas, como a Água Branca, a Faria Lima e a Água Espraiada.

"A minha obsessão neste momento foi primeiro começar com as obras de infraestrutura que levam muito tempo para serem concluídas", disse, durante visita à Associação Brasileira da Infraestrutura e da Indústria de Base (Abdib).

De acordo com Haddad, até o fim do ano passarão a ser licitadas obras na área social. "Aí é hospital, CEUs (Centros Educacionais Unificados), centros culturais. O pacote social nós vamos tratar daqui para dezembro e ter todo nosso plano de investimento o mais rápido possível", disse. De acordo com Haddad, apenas em novos projetos serão gastos R$ 100 milhões até o fim do ano.

O prefeito afirmou que a cidade só não virou um "canteiro de obras" por causa de gargalos. Um deles é a reindexação da dívida com o governo federal. Ele diz que, se a dívida fosse calculada pela taxa Selic, o valor seria de R$ 29 bilhões - hoje, regulada pelo IGP-M, é de R$ 52 bilhões.

Outro problema apontado por Haddad é a demora para a Justiça desapropriar áreas para o projeto Minha Casa Minha Vida e outras obras de habitação. "São terrenos baldios que podiam estar recebendo investimentos agora", disse. A Prefeitura só conseguiu quatro emissões de posse neste ano.

Segundo a Prefeitura, aproximadamente R$ 5 bilhões serão gastos em obras de drenagem.

Plano. Haddad afirmou que o novo Plano Diretor prevê as obras e "vai inaugurar uma dinâmica na cidade que não está presente na legislação atual". "Vamos associar o plano de obras públicas com os empreendimentos privados. A lógica do Plano Diretor é promover o adensamento onde tem infraestrutura existente ou a ser construída." Na reunião com os empresários, secretários municipais detalharam as obras previstas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.