Até corpo de animal chega às centrais

SÃO PAULO - O conteúdo das sacolas que chegam às unidades de reaproveitamento de lixo precisa melhorar. Em apenas uma tarde na Central Mecanizada de Triagem de Santo Amaro, na zona sul da capital, é possível ver de tudo passar pelas esteiras de processamento. São chuveiros, guarda-chuvas, torneiras plásticas, fitas K7. Até corpos de animais chegam aos centros.

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

01 Maio 2016 | 22h00

“É comum a gente achar sapatos, ratos, gatos e já achamos até cães”, conta um funcionário. Esse material vai para os contêineres de rejeitos, que são levados para o aterro sanitário.

Nos primeiros meses de operação da usina, segundo a administração, 70% dos itens eram de rejeitos sem utilidade. Atualmente, o porcentual é de 40%.

“Um mito que existe é que não adianta separar porque todo o lixo vai para o mesmo lugar. Não é verdade. Precisamos que as pessoas separem o lixo e coloquem para a coleta no dia certo”, diz Samuel Oliveira, diretor de Planejamento da Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (Amlurb). O horário da coleta pode ser consultado em www.capital.sp.gov.br.

Mais conteúdo sobre:
SÃO PAULO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.