Até agosto, a PM em todo o Estado de São Paulo fará BO

Até agosto, moradores de todo o Estado de São Paulo vão poder registrar boletins de ocorrência (BO) nas bases da Polícia Militar. O anúncio foi feito ontem pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB). O Estado já havia adiantado as mudanças no domingo.

Paulo Saldaña, O Estado de S.Paulo

24 Março 2011 | 00h00

A medida alcança, por enquanto, os casos de crimes que podem ser registrados por meio da internet na Delegacia Eletrônica - furtos de veículos, documentos e celulares, perda de documentos e desaparecimento de pessoas.

O serviço funciona desde 15 de fevereiro, em caráter experimental, em uma companhia da PM em Ermelino Matarazzo, na zona leste da capital. "É um sucesso. A média de tempo de registro na PM tem sido de 8 minutos", disse Alckmin.

Até 5 de abril, todas as unidades da PM na zona leste passarão a registrar os BOs. A cidade recebe o serviço até o início de maio. As unidades da Grande São Paulo estarão aptas em junho, mês em que o serviço chega ao Vale do Paraíba, litoral norte, Baixada Santista, Campinas e Piracicaba.

Em julho, é a vez de Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Bauru e Sorocaba. Finalmente, em agosto, os postos da PM em Presidente Prudente, Andradina e Araçatuba passam a registrar ocorrência.

Com isso, a população terá mais 2 mil quartéis e bases para fazer os boletins - além dos 220 pontos da capital. "Vai aumentar a notificação, o que deve impactar nas estatísticas", disse o secretário de Segurança, Antonio Ferreira Pinto. Estima-se que apenas 40% dos delitos ocorridos são comunicados pela população à polícia. A dificuldade de se fazer um BO muitas vezes leva as pessoas a desistirem de registrar o caso na polícia. Para Ferreira Pinto, a medida colabora na integração das Polícias Civil e Militar.

Fotocrim. O governador Alckmin anunciou ainda que a Polícia Civil passará a ter acesso à base de dados do Fotocrim, banco de dados sobre criminosos. Com 430 mil registros, era usado apenas pela PM.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.