Robson Fernandjes/AE- 13/5/2010
Robson Fernandjes/AE- 13/5/2010

Ataque preocupa colégios de São Paulo

Apesar dos cuidados já adotados, escolas devem investir mais no controle do acesso às dependências para segurança de alunos e professores

Carlos Lordelo e Felipe Mortara, O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2011 | 00h00

A tragédia causada pelo atirador na escola do Rio deixou diretores de colégios de São Paulo preocupados com a segurança. O Colégio Agostiniano Mendel, no Tatuapé, zona leste, acelerou a contratação de vigilantes para controlar o acesso às dependências. "É crucial ter mais gente cuidando da entrada e saída de nossos estudantes", diz o coordenador do ensino médio, Luiz Felipe Fuke.

O professor afirmou que ninguém tem acesso livre à escola, com exceção dos estudantes uniformizados. "Os visitantes precisam se identificar na recepção. Nem os pais podem entrar sem autorização." Segundo Fuke nunca houve ocorrências graves envolvendo alunos no Mendel.

Já o Vértice vai manter seu esquema de segurança atual. "O que aconteceu no Rio nos deixou muito preocupados, mas nosso modelo de vigilância tem funcionado bem", disse o diretor Adilson Garcia.

O colégio do Campo Belo, zona sul, tem funcionários antigos na portaria e terceiriza o serviço de vigilância externa. Agentes a pé e em carros fazem rondas nos arredores da escola, que também instalou câmeras em ruas vizinhas. Estudantes só entram de uniforme e ex-alunos têm horário determinado para visitas.

Para a diretora-geral do Rio Branco, Esther Carvalho, apesar da comoção do momento, é preciso "tranquilidade" para "refinar" os procedimentos de vigilância. "Vamos avaliar o que pode ser melhorado, mas não podemos entrar nesse clima de insegurança coletiva."

Na unidade Higienópolis, o colégio tem quatro seguranças na área externa e um vigilante na portaria, além de câmeras e inspetores de alunos.

Além dessas escolas, outras 12 não responderam ou não quiseram falar sobre seus esquemas de vigilância. Uma delas alegou que "o momento é delicado".

Rede pública. O governo estadual divulgou nota no início da noite lamentando o incidente no Rio. Segundo a gestão Geraldo Alckmin (PSDB), os estabelecimentos de ensino têm apoio de 23 mil agentes que controlam a entrada e saída dos alunos, além do reforço da Ronda Escolar da Polícia Militar nos horários mais movimentados.

O secretário estadual de Educação, Herman Voorwald, ligou a tragédia à universalização do ensino fundamental e médio no País. "A escola pública trouxe a sociedade para dentro dela e, consequentemente, incorporou muitos problemas sociais, antes estranhos ao ambiente escolar."

Também por nota, o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) disse que são "corriqueiros" casos de violência nas escolas e no entorno. "No Estado de São Paulo, a vulnerabilidade decorre também da ausência de funcionários em número suficiente e da extinção de funções como a de porteiro e inspetores." O governo fala em "reorganização de funções".

A Prefeitura orientou ontem as Diretorias Regionais de Educação a reforçar os procedimentos de vigilância nas escolas municipais. Nas unidades, inspetores vigiam os acessos nos períodos de entrada e saída de alunos.

Risco. Para Ulisses Nascimento, especialista em segurança de instituições de ensino, não dá para garantir segurança total à comunidade escolar. "Há dois fatores de risco principais: o meio externo - como o crime organizado - e o fator humano, que pode cometer erros", afirma. Ele diz que a tecnologia é importante, mas profissionais bem qualificados são imprescindíveis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.