Ataque no Alemão: Rio tem 1ª morte de policial em UPP

Segundo Estado, também é o 1º homicídio desde a chegada da Polícia Pacificadora no complexo; Exército saiu no dia 9

FÁBIO GRELLET / RIO, O Estado de S.Paulo

24 Julho 2012 | 03h01

Uma policial militar foi morta na noite de ontem, durante um ataque de criminosos à Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Nova Brasília, no Complexo do Alemão, zona norte do Rio. Segundo o governo do Estado, foi o primeiro caso de policial assassinado nas 25 áreas policiadas por UPPs desde a implementação do projeto, em dezembro de 2008.

Também foi o primeiro homicídio registrado no Complexo do Alemão desde a chegada das primeiras UPPs, em 18 de abril. O Complexo do Alemão tem hoje quatro unidades - mais duas ficam no vizinho Complexo da Penha.

Em outros dois pontos do Alemão, segundo moradores, houve confrontos entre policiais de UPPs e bandidos. Na Pedra do Sapo, dois policiais foram atacados por pelo menos oito criminosos. Ninguém se feriu e nenhum dos bandidos foi detido. O terceiro confronto teria ocorrido no Morro do Adeus. No local, uma moradora idosa passou mal e precisou de atendimento médico. Não havia notícias, até a meia-noite, sobre seu quadro clínico.

O ataque teve início às 21h30, quando os criminosos dispararam vários tiros e lançaram uma granada contra a UPP Nova Brasília. A soldado Fabiana Aparecida de Souza, de 30 anos, foi atingida por um tiro de fuzil 762. O projétil teria atravessado o colete à prova de balas que ela vestia. A PM foi socorrida e levada para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Itararé, onde morreu. Segundo colegas, Fabiana trabalhava como PM havia quatro meses.

Bope. O Batalhão de Operações Especiais (Bope), da PM, foi acionado para reforçar a segurança no complexo. Não se sabe se o atentado foi organizado por alguma facção criminosa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.