Estadão
Estadão

Associação vai à Justiça com OAB contra redução da velocidade

Associação Comercial integra ação movida pela OAB e tenta cassar redução da velocidade máxima; trânsito fluirá menos, sustenta

Juliana Diógenes, Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

30 Julho 2015 | 22h40

SÃO PAULO - A Associação Comercial de São Paulo (ACSP) também foi à Justiça contra a redução de velocidade nas Marginais do Pinheiros e do Tietê. Desde o dia 27, a entidade integra a ação movida pela seção São Paulo da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SP), que tenta cassar a medida da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). Procurada, a Prefeitura não quis comentar a entrada da ACSP no processo.

Segundo a associação comercial, “não há como escapar da lógica de que o trânsito nas Marginais fluirá quase 30% menos.” Assim como a OAB, a ACSP também afirma que a cidade vai viver “um caos” na volta às aulas, na semana que vem.

Ainda de acordo com a entidade, a política da CET traz prejuízos para o setor. “A redução do limite de velocidade impacta negativamente a livre circulação das pessoas e das mercadorias pela cidade”, disse, em nota, Alencar Burti, presidente da entidade e também da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp).

A ACSP acredita que as Marginais vão se transformar em vias de trânsito lento, perdendo, assim, suas características viárias.

Na segunda-feira, a Prefeitura de São Paulo apresentou à 11ª Vara da Fazenda Pública os dados e estudos referentes à redução da velocidade máxima nas Marginais. De acordo com os documentos, a administração municipal estima que a medida resultará em uma economia de R$ 189 milhões para a cidade e cita casos de outros países que diminuíram a quantidade de mortos e de feridos no trânsito com políticas semelhantes.

Além da OAB e da ACSP, a gestão Haddad também enfrenta o Ministério Público Estadual (MPE). Para a Promotoria de Habitação e Urbanismo, a CET apresentou apenas dados quantitativos, mas não mostrou as informações qualitativas, como a velocidade que os veículos estavam no momento dos acidentes.

Mais conteúdo sobre:
Mobilidade OAB

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.