Associação recorre ao STF sobre reintegração em São José dos Campos

Mandado de segurança pede que ação seja julgada pela Justiça Federal e não pela Tribunal de Justiça

Felipe Recondo, O Estado de S.Paulo

23 de janeiro de 2012 | 20h42

BRASÍLIA - A Associação Democrática por Moradia e Direitos Sociais de São José dos Campos recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender a operação de reintegração de posse na comunidade Pinheirinho, área de 1,3 milhão de metros quadrados na cidade do interior paulista.

A associação ingressou nesta segunda-feira, 23, no STF com mandado de segurança pedindo a suspensão imediata da desocupação da área pela Polícia Militar e defendeu que o assunto seja tratado pela Justiça Federal e não pela Justiça Estadual de São Paulo.

A Advocacia-Geral da União (AGU) avalia se recorrerá dessa decisão. Para encurtar o caminho, a associação impetrou o mandado de segurança, com pedido de liminar, no STF.

Responsabilidade. O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) informou que a mobilização policial ocorreu "por conta" e "responsabilidade" da Presidência do TJ-SP, com o objetivo de cumprimento de ordem judicial. "O efetivo da Polícia Militar em operação esteve sob o comando da Presidência do Tribunal de Justiça até o cumprimento da ordem", ressaltou.

Na nota, o TJ-SP informou ainda que o governo de São Paulo limitou-se na operação policial a ceder o "efetivo requisitado".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.