Assembleia tem ato de desagravo ao Comando

Apesar do discurso em defesa da modernidade e das reformas na Polícia Militar, a audiência pública ocorrida na terça-feira na Assembleia Legislativa de São Paulo, em defesa da corporação, deu motivos para manter o ceticismo em relação a essas mudanças. Durante quase três horas, os participantes do ato, que contou com a presença do comandante-geral da PM, Roberval Ferreira França, em vez de discutirem possíveis reformas na Polícia Militar, atacaram pessoalmente o procurador federal Matheus Baraldi Magnani.

O Estado de S.Paulo

09 Agosto 2012 | 07h52

Há duas semanas, Baraldi afirmou que o Ministério Público Federal devia ingressar com ação pedindo intervenção na PM paulista com base no artigo da Constituição que atribui à Justiça Federal o papel de preservar tratados internacionais, como de direitos humanos, assinado com a Organização das Nações Unidas. Os oradores tentaram deslegitimar a proposta de Baraldi por meio de ataques pessoais. A defensora pública Daniela Skromov também foi citada. /B.P.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.