JF Diório/Estadão
JF Diório/Estadão

Assembleia cria comitê para ações contra crise hídrica e abrirá poço

Medidas têm por objetivo o enfrentamento da seca no Estado e tirar a sede do Legislativo paulista da rede da Sabesp

Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

12 Fevereiro 2015 | 03h00

Mais de um ano após o início da crise hídrica e diante do iminente rodízio oficial de água na Grande São Paulo, a Assembleia Legislativa decidiu criar um comitê para discutir ações de enfrentamento da seca no Estado e construir um poço artesiano para tornar a sede do Legislativo paulista, no Ibirapuera, zona sul da capital, independente da rede de abastecimento da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).

O edifício é abastecido pelo Sistema Cantareira, que nesta quarta-feira, 11, estava com 6,4% da capacidade, incluindo duas cotas do volume morto.

Segundo o presidente da Casa, Chico Sardelli (PV), o poço deve custar cerca de R$ 150 mil e o investimento deve ser recuperado em até quatro meses. A Assembleia gasta, em média, R$ 100 mil por mês com água. Com o poço, o Legislativo pagará apenas metade da conta, correspondente ao serviço de coleta de esgoto. A conclusão da obra depende da outorga para captação subterrânea, que deve ser dada pelo Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE).

“Esse é o primeiro passo. Vamos deixar de consumir 4,5 mil metros cúbicos (milhões de litros) por mês da rede da Sabesp, o que pode abastecer de 500 a 1 mil residências, e economizar até R$ 600 mil por ano. Também estamos fazendo estudos para fazer o reúso da água da chuva que cai no telhado, por meio de cisternas, e, em um segundo momento, instalar painéis solares para economizar energia”, disse Sardelli, que assumiu a presidência da Assembleia no início do mês e fica no cargo até a eleição da Mesa Diretora, em 15 de março.

Gasto. Apesar do agravamento da crise na Grande São Paulo ao longo de 2014, a Assembleia gastou 21% mais água no ano passado do que em 2013. O consumo médio mensal saltou de 3,7 milhões para 4,5 milhões de litros. O Legislativo afirma que a alta aconteceu porque a Casa recebeu muitos eventos em 2014, que foi ano eleitoral, e porque 2013 já havia registrado uma grande redução em relação a anos anteriores, quando foram gastos até 4,8 milhões de litros.

Segundo o Departamento de Comunicação da Casa, em 2013 o Legislativo instalou vários equipamentos de economia de água, como torneiras automáticas e vasos sanitários com descarga acoplada, além de reparar vazamentos. Com 4 mil funcionários, a Assembleia afirma que o consumo de água por pessoa é inferior aos 50 litros diários recomendados para prédios públicos. “Realmente tivemos um acréscimo em 2014, mas em 2015 a redução será enorme”, afirma Sardelli.

Já o comitê hídrico criado pelos deputados será composto por 18 parlamentares de todos os partidos e terá como objetivo acompanhar a crise hídrica no Estado e elaborar e votar propostas de leis que possam ajudar a resolver ou amenizar o impacto da escassez de água.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.