Assassinos fazem piada de vítima em Sorocaba

Cinco presos por morte de garçom debocharam na frente do delegado: 'Ele vai abraçar o capeta'

José Maria Tomazela, do Estadão,

27 de outubro de 2007 | 12h38

Cinco acusados de assassinar com um tiro o garçom Sebastião Vieira, de 40 anos, em Sorocaba, debocharam de sua vítima ao serem presos, nesta sexta-feira, 26. Eles falaram em tom de brincadeira e fizeram piada da situação. "Ele foi tarde, é um peso a menos na terra", disse, rindo, a acusada Daniela Cristina Floriano, de 21 anos. Ela ainda completou, irônica: "Ele vai abraçar o capeta". Daniela diz não ter conhecido a vítima, morta com um tiro durante assalto a uma lanchonete, no centro da cidade, há um mês. Ela se passou por cliente e tentou comprar um lanche quando o bar estava fechando. O namorado da jovem, André Luis Cabral Horvath, anunciou o assalto e o garçom teria tentado fechar a porta. Baleado no rosto, Camargo ficou 11 dias internado, mas não resistiu aos ferimentos. O criminoso desdenhou da possibilidade de pegar uma pena alta. "Vai ser chocolate", disse. Ao ser preso, confessou friamente o crime e arrematou: "Antes ele do que eu". Outros dois presos, Sabrina Oliveira Santos e Wagner Francisco de Paula, eram funcionários da lanchonete e passaram informações para o assalto. Cléber Cardoso Muniz fazia parte do bando. Nenhum deles tinha antecedentes criminais. A forma banal como trataram o crime e a frieza demonstrada na confissão deixaram indignado o delegado José Ordele. Ele decidiu se inscrever como testemunha da conduta dos criminosos. "Falam do crime como se fosse algo corriqueiro, não demonstrando nenhum arrependimento ou vergonha. É o cúmulo do desprezo pela vida de outra pessoa", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
CrimePiadaSorocabaPolíciaInterior

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.