Assassino de turista vai com a mãe à polícia

Um ex-detento que alegou estar desempregado, passando fome e devendo pensão alimentícia confessou à polícia de Praia Grande, na Baixada Santista, ter assassinado o turista Caio Flores Ghelere, de 21 anos, que reagiu a um assalto no calçadão da Praia do Canto do Forte em 25 de junho.

Rejane Lima / SANTOS, O Estado de S.Paulo

28 Julho 2011 | 00h00

Abner José Rouleau Paulino, conhecido como Caubói, de 22 anos, apresentou-se ao 1º. Distrito Policial de Praia Grande na noite de segunda-feira acompanhado da mãe. Ele foi reconhecido por uma testemunha.

Funcionário público municipal, Ghelere morava em São Miguel Paulista, na zona leste de São Paulo, e passava o feriado de Corpus Christi no litoral. Ele estava com uma máquina fotográfica na mão no momento do assalto. Reagiu e entrou em luta corporal com o assaltante, que disparou duas vezes e fugiu sem roubar nada. Atingido no peito e no pescoço, Ghelere foi socorrido, mas morreu cerca de uma hora depois no Hospital Irmã Dulce, também em Praia Grande.

De acordo com o delegado Luiz Evandro Medeiros, Paulino já esteve preso por tráfico, de novembro a abril. No depoimento, afirmou que estava desempregado e que ele e a mãe estavam passando fome. Além disso, afirmou que tinha de pagar pensão alimentícia de R$ 250 à filha. Ele está preso provisoriamente na cadeia de Praia Grande. O delegado pedirá sua prisão preventiva à Justiça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.