Silvia Izquierdo/AP
Silvia Izquierdo/AP

Assassino de Tim Lopes é preso após denúncia

Informações dadas por moradores levaram a polícia até Zeu, que era foragido desde 2008 e se entregou só e sem armas

Alfredo Junqueira / RIO, O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2010 | 00h00

Um dos assassinos do jornalista Tim Lopes e foragido da Justiça desde 2008, o traficante Elizeu Felício de Souza, o Zeu, de 31 anos, foi preso por policiais do 17.º Batalhão da PM (Ilha do Governador), na localidade do Coqueiro, no Complexo do Alemão. Foi uma das mais importantes capturas até agora durante a ocupação do complexo. O traficante deve ser transferido ainda hoje para um dos presídios federais do País, segundo o presidente do Tribunal de Justiça do Rio, desembargador Luiz Zveiter.

Zeu foi achado a partir de informações de moradores, que zombaram do traficante quando ele se entregou. "Cadê o machão, Zeu?", gritavam alguns enquanto o criminoso era levado pela polícia. De acordo com o comandante do 17.º BPM, tenente-coronel Marcos Neto, Zeu foi encontrado desarmado e sozinho.

 

 

 

 

Veja também:

linkEspecial: a semana que mudou a vida carioca

linkDois chefes do tráfico são presos

linkVeja galeria de fotos da operação da PM

   

Ele ainda tentou esboçar resistência, não queria sair de casa, mas, após negociar com os PMs, rendeu-se. "Com um trabalho de convencimento nosso de que sairia vivo, ele resolveu se entregar", disse o tenente-coronel.

Apesar de algemado, Zeu mantinha a cabeça erguida e encarava os profissionais de imprensa que acompanhavam a prisão. O traficante estava foragido desde 2007, quando recebeu o benefício de passar a cumprir em regime semiaberto sua pena de 23 anos e seis meses de prisão. No primeiro dia em que saiu do presídio, ele não mais voltou.

Zeu havia sido condenado como o homem responsável por comprar o combustível usado para queimar o corpo do jornalista Tim Lopes. Repórter da TV Globo, Tim produzia reportagem sobre a exploração sexual de menores em bailes de traficantes na Vila Cruzeiro, quando foi capturado, torturado e morto pela quadrilha liderada por Elias Pereira da Silva, o Elias Maluco, em junho de 2002.

Pingo. Pouco depois da prisão de Zeu, Ivanildo Dias Trindade, de 55 anos, levou o filho Carlos Augusto, o Pingo, de 25, para ser preso. O rapaz é acusado de ser gerente do tráfico da localidade de Casinhas. Segundo o pai, com a chegada da PM, ele convenceu o filho a se entregar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.