Assalto em ônibus termina com dois mortos em Osasco

Policial que estava dentro do coletivo reagiu à ação de suspeitos, que iniciaram troca de tiros; passageiro foi atingido e não resistiu

Marco Antônio Carvalho, Especial para o Estado

20 Agosto 2014 | 16h03

SÃO PAULO - Um assalto a ônibus em Osasco, na Região Metropolitana de São Paulo, terminou de forma trágica na noite desta terça-feira, 19, com a morte de passageiro e de um suspeito. Três criminosos  foram surpreendidos por um policial civil que estava dentro do veículo e houve troca de tiros. O designer Arthur Rodrigues Braz, de 45 anos, passageiro do coletivo, foi atingido e não resistiu aos ferimentos; um dos suspeitos também morreu.

De acordo com informações da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP/SP), o caso teve início por volta das 20h30. Três homens não identificados entraram em um ônibus na Avenida Sarah Veloso, no bairro Jardim Veloso, e anunciaram o assalto ao cobrador com um revólver calibre 38.

Um policial civil estava dentro do veículo, percebeu a ação do grupo e se aproximou deles. Segundo o depoimento de testemunhas à polícia, a troca de tiros teve início quando o trio notou a presença do policial.

Após o confronto, os suspeitos fugiram pela porta traseira do ônibus. Ferido no abdome, o designer Braz foi socorrido no Pronto-Socorro Santo Antônio, em Osasco, passou por cirurgia, mas não resistiu e morreu. Uma criança de cinco anos, ferida por estilhaços, recebeu atendimento, mas não há gravidade na lesão.

Ainda na noite desta terça-feira, a Polícia Militar localizou na Rua Basílio da Gama o corpo de um homem com ferimentos de bala no ombro. A SSP/SP informou que o homem foi reconhecido por testemunhas e pelo policial como um dos suspeitos que agiram no ônibus, mas ele não portava identificação.

A arma do policial, que não teve a identidade revelada, foi apreendida para perícia. O setor de homicídios da Polícia Civil de Osasco é responsável pela investigação do caso. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.