Divulgação
Divulgação

Assalto a restaurante no Itaim Bibi termina com um morto

Trio invadiu o local na noite de domingo, roubou os pertences de clientes e funcionários, mas foi flagrado pela polícia; houve tiroteio e um dos ladrões morreu

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S.Paulo

05 Setembro 2016 | 12h25

SÃO PAULO - Três assaltantes invadiram o restaurante italiano Vapiano, no Itaim Bibi, na zona sul, na noite deste domingo, 4. O trio mirava o caixa eletrônico do estabelecimento, que fica logo na entrada, mas também roubou os pertences dos sete clientes que estavam no local e funcionários. Na tentativa de fuga, foram flagrados pela polícia e obrigado a devolver os itens. 

Ao menos dois tiros foram disparados pelos policiais e um deles atingiu um dos ladrões.  Ele foi encaminhado ao pronto-socorro do Hospital São Paulo, mas não resistiu aos ferimentos. Um dos assaltantes se rendeu e o outro, fugiu, já sem os objetos roubados. Não houve outros feridos. 

O trio chegou ao local por volta das 23h30, quando o restaurante já havia fechado as portas - o horário de funcionamento é até as 23 horas - e restavam alguns clientes. Eles renderam as pessoas e pegaram seus pertences, enquanto um funcionário acionou a Polícia Militar.

Uma das clientes que estava no local, a turismóloga Fernanda Ferreira Leite, disse à Rádio Jovem Pan que o grupo anunciou o assalto em voz baixa e pediu que todos fossem ao banheiro e deixassem os pertences na mesa. "(Falaram para) ficar tranquilo e ir para o banheiro. Eu saí correndo para o banheiro. O cara foi lá de novo e perguntou se mais alguém tinha celular", disse. 

Segundo funcionários do restaurante, que pediram para não ser identificados, os bandidos tentaram fugir por uma saída lateral, um corredor estreito que fica ao lado da entrada, sem acesso pelos clientes.   É neste local que um dos homens foi baleado, segundo os funcionários. "O trabalho hoje de manhã foi limpar a sujeira ali", disse um deles ao Estado

O restaurante Vapiano, em nota,  informou que não houve prejuízos ao estabelecimento nem aos clientes que lá estavam. Ressaltou ainda que  conta com câmeras de segurança e monitoramento particular e está tomando providencias para aumentar ainda mais a segurança do estabelecimento. "Sentimos muito pelo ocorrido aos nossos clientes e estamos à disposição para maiores esclarecimentos", afirma o texto enviado à imprensa. 

O caso será investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil.

Veículos.  O presidente do Conselho de Segurança (Conseg) de Pinheiros, Arnaldo Gimenes Filho, disse ao Estado que o que mais preocupa os moradores da região não é o roubo a lojas e casas, que não têm sido frequentes, mas o roubo e furto de veículos. "É maior preocupação que temos e é o que tem sido levantado nas reuniões", destaca. Ele lembra que também são frequentes os roubos e furtos de celular. "Quando solicitamos atendimento, geralmente a Polícia Militar é bastante solícita", disse. 

Mais conteúdo sobre:
ViolênciaSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.