Assalto à Protege acaba em tiroteio e dois ladrões morrem

Quarenta homens explodem portão da empresa para roubar o local; PM persegue, mas ninguém é preso

Andressa Zanandrea, do Jornal da Tarde,

11 de setembro de 2007 | 07h08

Cerca de 40 homens encapuzados e armados com fuzis e metralhadoras explodiram um portão dos fundos e levaram malotes de dinheiro da Protege, empresa de transporte de valores, localizada na Água Branca, na zona oeste de São Paulo. Eles invadiram a empresa, renderam e amarraram funcionários, por volta das 3 horas desta terça-feira, 11. Dois ladrões morreram na troca de tiros com a polícia, mas ninguém foi preso.  Houve tiroteio e dois carros, um deles com explosivos, foram abandonados na Rua Adriano José Marchini, onde fica a empresa. Os bandidos fugiram em pelo menos seis veículos, mas apenas dois carros foram localizados.  Seguranças de empresas da região ouviram a explosão provocada pelos ladrões. "Pensei que um gerador tivesse explodido, mas vi que tinha sido na empresa. Corri para dentro e chamei a polícia", disse um deles. Eles viram quando quatro ou cinco homens entraram na Protege em um carro prata e também uma caminhonete preta, com pelo menos cinco pessoas na carroceria. "Dois saíram correndo a pé. Tinha também um rapaz de touca e luva, todo de preto", contou outro segurança. Perseguição Policiais militares em patrulhamento na região chegaram ao local depois da forte explosão e avistaram três carros. Começou uma perseguição a um segundo carro prata, com placas de Praia Grande, que terminou com a morte de dois bandidos e dois sacos de dinheiro, do tamanho de pacotes de 20 quilos de ração de cachorro, recuperados.  Depois de passar pela Ponte do Piqueri, pela Marginal do Tietê, pela Rodovia dos Bandeirantes e pelo Rodoanel, o motorista de um dos carros seguiu pela Avenida Raimundo Pereira de Magalhães, onde bateu o carro e foi obrigado a parar. A dupla desceu do carro atirando contra os policiais e foi baleada. Os bandidos foram socorridos aos prontos-socorros de Parada de Taipas e Pirituba, onde morreram.  Outro carro foi localizado na Rua Rouxinol, em Perus, também na zona norte da capital paulista. Dentro do veículo, foi encontrado outro malote com dinheiro. Não há informações da quantia levada pela quadrilha nem se os bandidos teriam retirado os sacos de carros-fortes - vários deles estavam com portas abertas no pátio da empresa pela manhã.  Texto alterado às 7h36 para acréscimo de informações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.