'As pessoas deveriam se colocar no lugar do outro'

Análise: Claudia Matarazzo

É CHEFE DO CERIMONIAL DO PALÁCIO DOS , BANDEIRANTES, CONSULTORA DE ETIQUETA, O Estado de S.Paulo

05 Agosto 2012 | 03h04

Considero a lei que proíbe o uso de aparelhos sonoros sem fones de ouvido no transporte coletivo muito correta. Não é necessário as pessoas estarem o tempo todo plugadas a esses equipamentos, teclando como vem ocorrendo, ou ouvindo músicas, mesmo com fones de ouvido. Parece que esse comportamento virou um surto de ansiedade exacerbado.

Quem ouve música alta, ou qualquer outra mensagem em alto volume que incomode os demais, deveria tentar se colocar no lugar do outro para entender que as pessoas têm gostos diferentes. Elas têm direito de ouvir o que quiserem, ou mesmo - e principalmente - têm direito ao silêncio.

Essa poluição sonora impede a pessoa de estar em contato consigo mesma, de ouvir os próprios pensamentos. O entendimento de algumas pessoas de que se deve aproveitar as horas passadas nessas viagens para o lazer não pode esbarrar no direito do outro de seguir o mesmo caminho com conforto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.