As lições dos EUA para um velho dilema paulistano

São Paulo voltou a travar um debate que já tem conclusão em grandes cidades dos Estados Unidos: o que fazer com viadutos em áreas centrais? Um dia antes de a Prefeitura anunciar mais um desejo de se demolir o Minhocão, o jornal USA Today mostrou como as prefeituras de Dallas, Los Angeles, Cincinnati e St. Louis estão curando as cicatrizes urbanas provocadas pelas vias expressas elevadas.

, O Estado de S.Paulo

09 de maio de 2010 | 00h00

Para resolver o problema, as cidades americanas têm optado pela solução verde e apostam na criação de parques lineares sobre os acinzentados viadutos - ideias similares à proposta vencedora de concurso sobre o destino do Minhocão paulistano, engavetada como tantos outros projetos para São Paulo.

Segundo o jornal americano, a iniciativa pôs lado a lado ambientalistas e construtores, mais acostumados ao embate entre si que à união de suas forças. Os novos parques valorizam as regiões e agradam a ambos. Na definição de uma ambientalista de Dallas, as vias elevadas "são como muralhas medievais". Com boa vontade, obstáculos assim não precisam ir abaixo para deixarem de ser intransponíveis.

Paris põe cadeados do amor em xeque

A cidade mais romântica do mundo não anda satisfeita com uma moda em alta entre os turistas apaixonados. Paris não quer mais que casais pendurem cadeados na passarela que leva ao Museu d"Orsay e na Pont des Arts, sobre o Rio Sena. As duas passagens acumulam 2 mil peças de várias cores, formas e tamanhos presas à tela de proteção como símbolo de união entre duas pessoas, uma mania que chegou à capital francesa há dois anos. As autoridades garantem que os românticos não têm motivo para se jogar da ponte: os cadeados só serão removidos quando for escolhido um novo destino para os símbolos de tantos amores.

Um polêmico anúncio no país da Copa

Às vésperas da Copa do Mundo, um prédio ícone de Johannesburgo quase perdeu sua identidade. O anúncio no topo do Ponte City, de uma empresa que não patrocina o evento, só não foi apagado por ficar fora da zona de exclusividade da Fifa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.