Daniel Teixeira/AE
Daniel Teixeira/AE

Árvore do Ibirapuera é inaugurada sob chuva

Apesar do tempo ruim, 2.500 pessoas foram ao parque apenas para ver as luzes de Natal serem acesas

Marília Almeida, O Estado de S.Paulo

06 Dezembro 2010 | 00h00

A inauguração da árvore de Natal do Parque do Ibirapuera, na zona sul, ocorreu ontem sob chuva forte. Mesmo assim, cerca de 300 pessoas esperavam, às 19h, que as luzes fossem acessas. Elas estavam com capas distribuídas pela organização do evento. Quem chegou até aquela hora não encontrou trânsito. A Avenida Olavo Fontoura foi interditada para os carros, deixando a Rua Curitiba como opção de estacionamento. Também por causa da chuva, não havia flanelinhas nem camelôs no entorno do parque. A árvore tem 68 metros de altura e as luzes são de LED, que consomem menos energia.

O apresentador de TV Marcelo Tas conduziu a cerimônia, que se iniciou com a apresentação de um coral. Depois, foi a vez da banda Afro Lata. Cerca de 2,5 mil pessoas acompanharam o momento da iluminação da árvore, que foi seguida por um show de fogos de artifício e apresentação da banda mineira Pato Fu.

O supervisor técnico Maurício dos Santos, de 42 anos, levou quatro amigos e três crianças para a festa. "Não tive problemas para chegar até aqui. Mas, dependendo da chuva, vou embora mais cedo", afirmou. Ele aproveitou o domingo para fazer um roteiro natalino pela cidade.

O sol forte de ontem, aliás, possibilitou uma manhã de piscina para muitos paulistanos. Segundo a empresa Climatempo, São Paulo teve temperatura máxima de 31,3ºC e mínima de 20,3ºC. O dia quente ainda levou muitos moradores da zona leste e região a aproveitarem uma nova opção de lazer e cultura aberta no fim de semana: o Sesc Belenzinho - com piscina e 50 mil metros quadrados disponíveis para uso.

Segundo a organização da instituição, entre os 17. 360 visitantes da unidade, 2.520 foram se refrescar na piscina. "A área aquática do meu prédio está interditada. Então, resolvi dar uma passada aqui com as crianças. Pena que a chuva atrapalhou", comenta a professora universitária e moradora do Anália Franco Francesca Camargo, de 53 anos.

Contudo, nem todo mundo achou ruim. "A parte boa é que a chuva mandou todo mundo para os andares de cima, onde tem muitas apresentações culturais interessantes. Piscina tem todo dia", defende a cantora lírica e moradora do Ipiranga Rosângela Almeida, de 61 anos. "A parte ruim é que tem muita fila."

Surpresa. O número de 15.800 visitantes surpreendeu até a organização do Sesc. No sábado, primeiro dia de visitação, esperavam-se 8 mil pessoas, mas compareceram ao local 15.800. / COLABOROU JULIANA FADDUL

Estado de atenção

11 pontos

de alagamento foram registrados na capital paulista até as 21 horas. As regiões sul, sudeste e leste de São Paulo foram colocadas em estado de atenção pelo Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE)às 14h10. Elas sofriam pancadas de chuvas moderadas com pontos fortes, causadas pela chegada de uma frente fria e da brisa marítima. Às 15h20, foram colocadas em estado de atenção também as zonas norte e oeste, o centro, além das Marginais do Pinheiros e do Tietê.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.