Artistas de rua ocuparão hoje a Paulista

70 profissionais de várias áreas prometem 5h de apresentações em diferentes pontos da via; objetivo é arrecadar fundos para associação

JULIANA DEODORO, TIAGO DANTAS, O Estado de S.Paulo

26 Janeiro 2013 | 02h02

Setenta artistas, das mais diversas áreas, vão ocupar vários pontos das calçadas da Avenida Paulista, a partir das 15 horas de hoje, para a Maratona das Artes. O evento, que deverá ter cinco horas de duração, é a primeira ação da Associação Artistas na Rua e tem como objetivo arrecadar dinheiro para a criação formal da entidade.

A associação foi formada no fim do ano passado e, segundo o ator Celso Reeks, um dos idealizadores, a ideia é que ela atue em duas frentes: política e institucional. "Por um lado, vamos dialogar com o Estado e os setores privados e propor políticas públicas. Por outro, vamos estimular a ocupação do espaço e organizar eventos como a Maratona", afirma Reeks.

A mobilização dos artistas de rua começou em 2010, quando realizaram uma manifestação contra a agressão policial sofrida pelo músico Rafael Pio. O guitarrista foi preso em 14 de outubro e teve apreendidos instrumento musical e amplificador. Ele acabou liberado no mesmo dia.

De lá para cá, o grupo conseguiu a aprovação de um decreto que regulamenta a atuação dos artistas nas ruas da capital. Agora, resolveu também fundar a organização. "O artista que trabalha na rua tem de ter consciência de que tem de construir uma entidade que defenda seus interesses", diz James Lima, outro fundador da associação.

A Maratona das Artes, primeira ação do grupo, já começou um sucesso. Planejada inicialmente para abrigar 50 artistas, foi expandida por causa da grande procura. Os artistas começarão as atividades às 15h e ficarão até as 20h no trecho da Avenida Paulista entre a Consolação e a Alameda Joaquim Eugênio de Lima, nos dois lados da calçada.

Os dois parques da região também serão palco de eventos. No Trianon, três companhias vão contar histórias para as crianças. Já o Parque Mario Covas será um "cinema" para a exibição de curtas e médias sobre a atuação dos artistas de rua. Lima diz que, apesar de 70 artistas terem se inscrito para participar do evento, a expectativa é de que muitos outros apareçam. "O artista de rua tem de ser livre para se manifestar na hora em que quiser", afirma.

Uma das apresentações será a do ator peruano Rodolfo Valentino, de 37 anos, que, entre idas e vindas, vive em São Paulo desde 2005. Valentino costuma fazer performances como estátua-viva na esquina da Rua 25 de Março com a Ladeira Porto Geral, no centro, vestido como o pirata Jack Sparrow, interpretado por Johnny Depp na série de filmes Piratas do Caribe. "Vim para São Paulo concluir minha formação em interpretação e direção. Quando me apresento nas ruas, encontro satisfação plena. É muito mais gostoso do que o teatro clássico, que eu estava acostumado a fazer. O retorno é imediato", afirma. "O acesso à arte não é só um direito, mas uma necessidade do povo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.