Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Artistas reclamam de falta de diálogo sobre pichações e grafite

Especialistas defendem movimentos e dizem que pintar muros equivale a 'destruir a memória da cidade'

Celso Filho, O Estado de S. Paulo

23 Janeiro 2017 | 05h06

SÃO PAULO - Diante das ações do prefeito João Doria contra pichações e grafites, artistas e especialistas questionam a falta de diálogo com a Prefeitura. Para eles, as manifestações de arte urbana são patrimônio cultural que deve ser preservado na cidade.

“Há fundações internacionais, como a Cartier, de Paris, que recebem e apoiam pichadores brasileiros. Temos de estar de braços abertos para essa molecada, chamá-los para o diálogo”, defende o artista plástico Rui Amaral, um dos precursores do grafite em São Paulo. Amaral vai se reunir com o secretário de Cultura, André Sturm, nos próximos dias para discutir as medidas recentes.

Amaral foi um dos curadores do corredor de arte urbana da Avenida 23 de Maio. Segundo ele, o projeto, conhecido como um dos maiores murais do tipo no mundo, englobou tanto a pichação quanto o grafite – e sua junção, conhecida como “grapixo”. Alguns desses trabalhos foram cobertos de tinta pelo prefeito há pouco mais de uma semana, durante uma ação do programa “Cidade Linda”.

A artista, curadora e pesquisadora de arte urbana Lilian Amaral também cobra uma participação maior da Secretaria de Cultura no diálogo com os artistas de rua. “Estamos falando de produção cultural. Não foi ao acaso que essas manifestações artísticas conquistaram espaço e chegaram ao ponto de estarem ligadas à identidade da cidade”, explica.

Segundo a pesquisadora, o grafite e a pichação são linguagens artísticas que têm uma mesma origem, ligada à ocupação de espaços públicos. “É um tipo de manifestação consolidada no século 21. Temos de entender a arte urbana como patrimônio. É um equívoco apagá-la. É como apagar a memória da cidade.”

Glossário

Muralismo: Na primeira metade do século 20, no México, trabalhando em muros e paredes, artistas pregavam uma arte mais acessível, recuperando temas como o folclore e a cultura maia.

Grafite: São inscrições e desenhos sobre muros e paredes da cidade com caráter transgressor. O repertório de muitos grafiteiros está no universo pop, em ícones da mídia e na linguagem dos quadrinhos.

Picho ou ‘pixo’: É marcado por formas codificadas e tipografias que estão ligadas a determinados grupos urbanos. 

Grapixo: Junta o picho e o grafite. Nas obras, a grafia é similar à do picho, mas o trabalho recebe contornos e cores que o aproxima do grafite.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.