Arte e design em pequenas doses

Miniaturas reproduzem tão fielmente personagens do cinema e ícones da decoração e do turismo que chegam a parecer reais

Valéria França, O Estado de S.Paulo

13 de agosto de 2011 | 00h00

Na vitrine da loja, o ator Brad Pitt aparece como um boneco. Tem 30 centímetros de altura, mas a reprodução das feições do rosto e até mesmo das roupas é tão detalhada que impressiona. A farda foi confeccionada à mão com o mesmo modelo, cor e tecido da que o ator usou no filme Bastardos Inglórios.

O boneco da Hot Toys é apenas uma das surpresas que lojas de miniaturas reservam ao consumidor. "A miniatura virou uma forma de reproduzir sonhos e objetos de desejo que nem sempre se pode ter no tamanho real", diz Fanny Feigenson, professora de Design na Universidade Mackenzie. Vestidos, joias de cristal e até mesmo peças de design internacional são encontrados em escala reduzida para ser colocados na estante de casa.

As miniaturas viraram uma forma de muitas marcas eternizarem produtos icônicos. É o caso da Alessi, grife de utensílios de cozinha fabricante do firebird, acendedor que deixou de ter função no fogão, mas que nem por isso saiu do mercado. Hoje, ele entra na casa dos paulistanos como um enfeite de 10 centímetros de altura (R$ 115).

Até o acervo do Museu Vitra Design, da Alemanha, foi transformado em miniatura. Entre as cem peças em tamanho reduzido está uma criada em 1903 por Charles Rennie Mackintosh, um dos arquitetos mais importantes do movimento art nouveau, do começo do século passado.

A cadeira Mackintosh até hoje é moderna. Tem um espaldar geométrico, à la Mondrian, mais alto que um convencional. "A reprodução reduzida é feita com o material e a cor da peça original", explica Flávia Riccó, diretora comercial do showroom da Vitra by Riccó, empresa de móveis para escritório.

Mimo. Dentro de uma caixa de madeira especial, a peça vira um mimo. Vem até com certificado de garantia. A Mackintosh custa R$ 872, mas, dependendo da dificuldade de reprodução, o preço sobe. A miniatura da cadeira Favela, dos irmãos Campana, é vendida por R$ 1.470,60.

"É um trabalho artesanal colar as micromadeiras na superfície", justifica a arquiteta Nívea Puech, de 39 anos, que há cinco virou colecionadora. Tem peças que chegam a custar quase o preço de uma de tamanho real.

Em uma estante, Nívea reúne 50 peças expressivas do design. "Queria ter todas elas em tamanho real, mas não há espaço em casa para isso."

Enxergar o mundo em escala reduzida virou objeto de ensaio do artista britânico Slinkachu. Ele faz miniesculturas para reproduzir cenas da cidade e depois fotografá-las nas ruas - que ganham dimensões gigantes. Tem desde um skatista usando lata de refrigerante jogada na calçada como pista até uma pessoa baleada. Slinkachu costuma deixar as miniaturas na rua. Achá-las virou sensação entre os britânicos. O ensaio fotográfico foi transformado em livro, à venda no site da Amazon - Little People in The City: The Street Art of Slinkachu (US$ 10,17).

ONDE: DPOT: AL. GABRIEL MONTEIRO DA SILVA, 1.250; TEL.: (11) 3082-9513

ARTE EM MINIATURAS (HOT TOYS): AV. PAULISTA, 1.471, LOJA 14, TEL.: (11) 3266-8703

SECRETS DE FAMILLE: RUA HADDOCK LOBO, 1.260; TEL.: (11) 3083-7949 OU WWW.SECRETSDEFAMILLE.COM.BR

CHI CHIC LAB DE CRIAÇÃO: CHICLAB.COM.BR SWAROVSKI: TEL.: (11) 3667-3311

VITRA BY RICCÓ: TEL.: (11) 3081-6100

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.