Arte de rua de São Paulo pode ser vista agora pela internet

Site permite "visitar"mais de cem obras espalhadas pelas vias da cidade, como grafites, murais e mosaicos; entre os artistas estão de Di Cavalcanti e Tomie Ohtake ao grafiteiro Kobra

CAIO DO VALLE, O Estado de S.Paulo

22 Março 2013 | 02h04

A arte de rua paulistana ganhou exposição que pode ser vista pela internet. O Google lançou uma ferramenta que permite "visitar" mais de cem obras espalhadas pela cidade, entre grafites, murais e mosaicos. Batizado de Street Art Project (www.googleartproject.com), o site exibe fotos em alta resolução de criações de artistas como Speto, Kobra, Mulheres Barbadas, Space Invaders, Di Cavalcanti e Tomie Ohtake. Composições mais tradicionais, como meticulosos mosaicos feitos de pastilhas, dividem lugar com grafites de cores vibrantes.

A iniciativa compõe o Google Art Project, lançado há dois anos com o objetivo de mostrar online as coleções de museus e galerias de arte do mundo inteiro. Atualmente, o acervo de 151 instituições de 40 países está disponível. Há dois representantes da cidade: a Pinacoteca do Estado, no centro, e o Museu de Arte Moderna, no Ibirapuera, na zona sul.

O diretor de marketing do Google para a América Latina, Esteban Walther, diz que a capital paulista é a primeira cidade do mundo a ter um projeto virtual dedicado à arte de rua. Ele acredita que o mapeamento também terá como função ajudar a preservar a memória coletiva. "A arquitetura e o urbanismo de São Paulo estão mudando tão rapidamente que muitas destas expressões artísticas podem não estar mais aí em dois, três anos."

Outro ponto destacado por Eduardo Saretta, sócio da Galeria Choque Cultural convidado para ser um dos cinco curadores do projeto, é a organização dos dados a respeito de cada obra. "No site, há informações sobre o artista, a data em que a intervenção foi feita e um link para a página de quem fez o trabalho. É um incremento da comunicação."

Ele diz que algumas das criações que ajudou a selecionar são os bonecos de azulejo do Space Invaders, criado na França, e que estão instalados por toda a cidade em fachadas e pontes, e o painel Mural da Luz, do artista Daniel Melim, em um prédio perto da Estação da Luz. "Essa obra mudou e deu vida nova ao entorno da Passarela das Noivas."

Democratização. Grafiteiro desde os 14 anos, o artista Paulo Cesar Silva, de 41 anos, conhecido como Speto, é um dos que terá obras retratadas no Art Street Project. Para ele, a ferramenta democratiza um tipo de arte que já popular entre os brasileiros. "Uma das coisas que fazem o Brasil ser um dos países mais importantes do grafite é porque as pessoas o aceitaram." Um pássaro pintado por ele há seis anos no Beco do Batman, na Vila Madalena, na zona oeste, é um dos escolhidos para integrar o projeto.

A maior parte das obras mostradas no Street Art Project está na região do centro expandido da cidade. No futuro, mais murais devem ser incorporados ao acervo digital. A captação das imagens foi feita por um fotógrafo contratado pelo Google. As fotos mostram as obras de diferentes ângulos e dão a sensação de estar caminhando perto delas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.