Arquivos são o Google da era pré-internet

Pouca gente sabe, mas em 1924 São Paulo sofreu bombardeio aéreo para expulsar militares revoltosos que haviam tomado a cidade. O nevoeiro que encobre esse fato histórico começou a se dissipar quando descobri os anais da Câmara, que registram projetos de lei, requerimentos, indicações, cartas e discursos desde 1562. Na minha pesquisa, o foco era a revolta armada, mas compulsando textos descobri mais do que interessantes relatos sobre os confrontos armados. Vi-me no meio de uma cidade que crescia num "ritmo alucinante", acumulava riqueza e problemas. O consumo de drogas preocupava tanto quanto hoje, depois que foram encontrados nos cabarés "pequenos vidros com vestígios de cocaína, assim como ampolas em que existiram o éter, a morfina e outros tóxicos". Já as discussões sobre o trânsito lembram os debates de hoje, como a proposta de construir garagens verticais, num tempo em que não havia sequer um arranha-céu.

Joaquim de Carvalho, O Estado de S.Paulo

08 de agosto de 2010 | 00h00

Como os congestionamentos, o que também parece nunca mudar é a relação conflituosa entre a Câmara Municipal e a imprensa. Rebatendo uma crítica de que os vereadores não faziam nada, o vereador Luciano Gualberto foi à tribuna para dizer: "uma cousa é ser representante do povo, com assento na Câmara Municipal, onde se trabalha árdua e desinteressadamente", outra "é estar na redação de um jornal com o seu paletó de palha e seda, e escrever tranquilamente".

Os anais da Câmara contam o que muitos gostariam de ver sepultado. É um tipo de Google oficial, mas sem a rapidez e as ferramentas da internet.

É JORNALISTA E PESQUISOU NOS ANAIS DA CÂMARA INFORMAÇÕES PARA O LIVRO "1924 - O ANO QUE SÃO PAULO ESQUECEU" (PREVISTO PARA JANEIRO DE 2011).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.