Marcio Fernandes/Estadão
Marcio Fernandes/Estadão

Arquiteto Gian Carlo Gasperini morre aos 93 anos em SP

Galeria Metrópole, Edifício Pauliceia, Parque da Juventude e o primeiro shopping de São Paulo estão entre seus projetos mais conhecidos

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

16 de julho de 2020 | 14h59

Italiano radicado no Brasil, o arquiteto Gian Carlo Gasperini morreu aos 93 anos na noite de quarta-feira, 15, em São Paulo. Ele assina alguns dos projetos arquitetônicos e urbanísticos mais icônicos da capital paulista, como os da Galeria Metrópole, na República, do Edifício Pauliceia, na Avenida Paulista, do Parque da Juventude e da Biblioteca São Paulo, criados na área do antigo Complexo do Carandiru, e do primeiro shopping da cidade, o Iguatemi, de 1966. Gasperini deixa esposa e filho.

Segundo o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR), Gasperini estava internado há dois no Hospital Albert Einstein, com um quadro de pneumonia. O arquiteto nasceu em Castellammare di Stabia, em Nápoles, mas se mudou para o Brasil logo após o fim da Segunda Guerra Mundial, em 1947, concluindo a graduação em Arquitetura e Urbanismo dois anos depois na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Entre outras obras importantes, estão a sede do Tribunal de Contas do Município de São Paulo (TCM-SP), o Edifício Tutóia (sede da IBM) e o antigo Credicard Hall. Fora da capital, assinou os projetos do Edifício Peugeot, em Buenos Aires, idealizado como a maior torre de escritórios da América do Sul, e do Auditório Campos do Jordão, na cidade homônima, dentre outros.

Grande parte dos seus projetos foram assinados pelo escritório Aflalo/Gasperini, fundado há mais de 50 anos. Ao longo de décadas, fez parcerias com outros nomes importantes da área, como Rodrigo Aflalo, Jacques Pilon e Salvador Candia. Gasperini também foi professor na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP), na qual concluiu mestrado e doutorado.

"Com 58 anos, a aflalo/gasperini arquitetos segue produzindo projetos inovadores e sustentáveis, reforçando o legado pioneiro de Gasperini, bem como seus princípios arquitetônicos", ressalta postagem publicado pelo escritório Aflalo/Gasperini.

A morte do arquiteto foi lamentada por entidades e profissionais da área. “Exemplo de profissional, nos deixa belos projetos e grandes lições”, diz nota divulgada pela Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura (AsBea). “Ele aliou a produção arquitetônica de alto nível com o entusiasmo na formação de diversas gerações de arquitetos”, descreve Luciano Guimarães, presidente do  Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR), em comunicado.

‘Senhor dos grandes prédios’ de São Paulo

Em entrevista ao 'Estadão', em 2009, Gasperini chegou a ser chamado de um dos “senhores dos grandes prédios” da capital paulista. "Nossos prédios têm uma lógica própria, com ênfase na parte estrutural e uma composição arquitetônica clara, limpa, sem extravagância, sem modismos. Essa é a nossa plataforma. E isso fez com que o escritório se destacasse entre os demais, tornando-se um dos maiores em atividade hoje em dia”, disse na ocasião.

Ele também explicou sobre a escolha profissional. “Resolvi ser arquiteto porque nós estávamos completamente na merda depois da guerra. Todas as profissões eram terrivelmente desacreditadas. Então eu via duas opções: ou a medicina, que era do meu pai, ou as artes. De repente, comecei a me dedicar às artes. E, então, acabei entrando em arquitetura."

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Com profundo pesar, comunicamos o falecimento de Gian Carlo Gasperini, sócio fundador do nosso escritório, aos 93 anos, ocorrido na noite de 15 de julho, em São Paulo. Arquiteto italiano, Gasperini fundou o escritório em 1962, na época com o nome Croce, Aflalo & Gasperini, junto com Plinio Croce e Roberto Cláudio dos Santos Aflalo. Do ponto de vista arquitetônico, teve grande expressão criativa, influenciou e foi influenciado por importantes arquitetos do século XX. Uma pessoa que adotou o Brasil como lar, para onde veio com a família fugida da guerra no final dos anos 40 e resolveu permanecer após se entrosar com a geração de arquitetos que liderou a modernização da arquitetura brasileira, como Niemeyer e Lucio Costa. Em 2010, recebeu o Título de Cidadão Paulistano e, em 2015, foi homenageado pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) pelo conjunto de sua obra. Também recebeu títulos honoríficos como o “Croix Chevalier Mérite Commercial”, do Governo francês, e o GB “Cavaliere dell’Ordine al Merito dei la Republica Italiana”, concedido pelo Governo da Itália, além de ser condecorado como Cavalheiro Donato da Soberana Ordem de Malta. Seus projetos de destaque, como os Supermercados Peg-Pag e Pão de Açúcar, o Edifício Metrópole e o Centro Metropolitano de Compras, os Edifícios Pauliceia e Moreira Salles e o Peugeot, em Buenos Aires, e tantos outros de seu escritório, como o Auditório Claudio Santoro, em Campos do Jordão, e os edifícios-sede da IBM e do Citibank, deixaram um importante legado que marcou a história do escritório e da arquitetura do país. Com 58 anos, a aflalo/gasperini arquitetos segue produzindo projetos inovadores e sustentáveis, reforçando o legado pioneiro de Gasperini, bem como seus princípios arquitetônicos. À sua esposa, ao seu filho e familiares, nossos mais sinceros sentimentos de pesar.

Uma publicação compartilhada por aflalo/gasperini arquitetos (@aflalogasperini_arquitetos) em

 

Tudo o que sabemos sobre:
Gian Carlo Gasperiniarquitetura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.