Área vip de bar vira 'sala' para executivo fechar negócios

Muitas vezes, bons negócios são fechados - ou ao menos encaminhados - em festas. Assim, camarotes de bares mais sofisticados começam a ser ocupados agora por clientes engravatados, dispostos a reforçar sua rede de contatos. É o caso do alemão Bernd Nestrojil, de 42 anos, que chegou a São Paulo, em 2008, para abrir uma empresa de assessoria financeira. Ao menos uma vez a cada três meses, ele reserva um camarote em um bar dos Jardins, na zona sul.

O Estado de S.Paulo

22 Março 2012 | 03h04

"Fecho um esquema de open bar para os convidados", diz o empresário alemão. "É muito prático. Não preciso me preocupar com nada." Nestrojil prefere fazer as reuniões aos sábados. Segundo ele, "o encontro fica ainda mais descontraído".

É uma maneira que os empresários encontraram para levar o cliente, ou potencial cliente, a lugares que não fazem parte de sua rotina. "A ideia é fugir do ambiente quadrado e formal do hotel, por isso escolhem o bar, que tem DJ", afirma Alexandre Morandi, sócio do Squat, bar com três camarotes vips nos Jardins, onde esses encontros já são recorrentes.

Há casos em que a pequena reunião vira um "festão". O primeiro andar já foi fechado para convidados de consulados.

O Na Mata Café, no Itaim-Bibi, também na zona sul, é outra casa que recebe muitos engravatados. Um dos atrativos é a sua programação de show na happy hour, em uma área à parte. / V.F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.