Área do Piritubão está contaminada

Relatório da Cetesb aponta existência de metais pesados e solventes no terreno onde se cogita construir o estádio de abertura da Copa 2014

Diego Zanchetta, O Estado de S.Paulo

14 de julho de 2010 | 00h00

O terreno de Pirituba onde a cúpula da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) cogita construir o estádio de abertura da Copa de 2014, na zona norte de São Paulo, está interditado para obras. O motivo é uma contaminação por metais pesados no solo e lençol freático. O local passa por processo de "recuperação ambiental". É o que informa o último relatório da Companhia de Tecnologia Ambiental (Cetesb), divulgado em novembro, com a relação das áreas contaminadas no Estado.

Qualquer escavação na área ? localizada originalmente no número 8.223 da Avenida Raimundo Pereira de Magalhães e declarada de utilidade pública pela Prefeitura em 2009 ? está proibida pelo governo do Estado.

Ambientalistas que tiveram acesso ao relatório acreditam que a descontaminação da área levará ao menos três anos, o que poderia inviabilizar o projeto da nova arena e atrasar a construção do centro de convenções planejado pela Prefeitura. O poder municipal confirma a contaminação, mas diz que atinge apenas uma parte do terreno e poderá ser removida em 12 meses.

A Cetesb prometeu dar mais detalhes hoje sobre o perímetro contaminado na área, que pertence à Anastácio Empreendimentos, uma das empresas da Companhia City de Desenvolvimento. A área tem 4,9 milhões de metros quadrados, o equivalente a três Parques do Ibirapuera, e tinha como vizinhos, até o fim dos anos 1960, sedes de indústrias metalúrgicas e galpões de fabricantes de óleos graxos.

Segundo o relatório da Cetesb, existe a presença de solventes halogenados, como clorofórmio, no solo e em águas subterrâneas. A "fonte" de contaminação foi o descarte irregular de resíduos no espaço. Desde 2004, quando a Cetesb passou a divulgar a lista de áreas contaminadas na internet, o terreno em Pirituba é considerado um passivo ambiental paulistano. A cidade tem hoje 781 áreas contaminadas ? 70% são terrenos onde funcionavam postos de gasolina que faziam o armazenamento irregular de combustível.

Ambientalistas. O Movimento em Defesa do Pico do Jaraguá promete elaborar até o fim do mês ação civil pública contra qualquer intervenção no local. "Os estádios na Copa de 2006 e 2010 tiveram forte conotação ambiental. Não podemos ter um justamente em área contaminada. Se o lençol freático já foi atingido, como mostra a Cetesb, o passivo pode se espalhar rapidamente para outras áreas do bairro", afirmou Edson Domingues, coordenador da entidade. / COLABOROU RODRIGO BRANCATELLI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.