Área do Pinheirinho vai a leilão por R$ 187 milhões

Evento será no mês que vem; em janeiro, Tropa de Choque retirou mais de 6 mil pessoas do terreno de 1,3 milhão de m2

GERSON MONTEIRO , ESPECIAL PARA O ESTADO , TAUBATÉ , O Estado de S.Paulo

16 Agosto 2012 | 03h04

No fim de setembro, a Justiça deve leiloar o Pinheirinho, em São José dos Campos, a 90 km de São Paulo. Em janeiro, a área de 1,3 milhão de m², onde viviam mais de 6 mil pessoas, foi desocupada após ação da Polícia Militar.

O valor estipulado pela perícia judicial é de R$ 187 milhões, o dobro do valor venal do terreno. A empresa responsável pelo edital, a Sodré Santoro, deve publicá-lo no dia 26. O pregão será presencial, com possibilidade de lances pela internet com 15 dias de antecedência.

A área pertence à massa falida da empresa Selecta, do grupo de Naji Nahas. Parte da renda será revertida para pagamento de dívidas à prefeitura e ao governo federal, que juntas podem chegar a R$ 30 milhões. De acordo com a Justiça, o imóvel é o único bem em nome da empresa.

O local, considerado industrial pela lei de zoneamento, tem 45% da área de preservação ambiental. Pouco mais de 700 mil m² podem ser usados para galpões industriais.

Batalha. Após sete meses da desocupação, o Pinheirinho continua abandonado. No local, há restos das construções demolidas no início do ano, realizada logo após a desocupação pela PM. Na manhã de 22 de janeiro, cerca de 2 mil homens da Tropa de Choque invadiram a área e surpreenderam moradores - alguns haviam produzido armas artesanais para se defender. Houve confronto, carros foram incendiados e a PM usou balas de borracha e bombas de efeito moral.

O terreno havia sido invadido em 2004 e abrigava mais de 6 mil pessoas no momento da desocupação. Um dia depois da ação da PM, denunciada como truculenta por moradores e entidades de direitos humanos, apenas 750 famílias haviam se cadastrado na prefeitura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.