Área de escape em Congonhas é descartada pelas autoridades

Acidente com avião bimotor que saiu da pista na tarde de quarta reacende discussão sobre segurança

da Redação,

04 de setembro de 2008 | 10h21

A discussão sobre a construção de uma área de escape no Aeroporto de Congonhas é retomada depois do acidente com um avião bimotor, que saiu da pista na tarde de quarta-feira, 3, após tentar abortar a decolagem. No entanto, a proposta apresentada pela Prefeitura de São Paulo de estender a área de escape do Aeroporto de Congonhas, feita no fim do ano passado, depois do acidente da TAM, parou no Ministério da Defesa, que descartou a idéia.   Veja também: Avião é retirado de Congonhas 13horas após derrapar na pista As imagens do acidente com o bimotor  Das medidas anunciadas, só uma vigora Especial sobre a crise aérea  Todas as notícias sobre a crise aérea    Arte estadao.com.br   A Prefeitura chegou a mandar o plano de desapropriação de 2 mil imóveis para a ampliação da pista, mas, segundo a assessoria de imprensa do ministério, "foi avaliado que não haveria infra-estrutura urbana que comportasse o aumento no movimento de automóveis e passageiros na região do aeroporto". De acordo com a assessoria de imprensa do prefeito Gilberto Kassab, não seria possível dar início às desapropriações se o governo federal não fosse parceiro no projeto, que custaria R$ 500 milhões.    A instalação de áreas de escape em Congonhas foi anunciada com alarde, assim como a construção de um terceiro aeroporto em São Paulo, que também foi engavetada e nunca mais comentada. O ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirma que Congonhas conquistou, em julho, segurança "absoluta", após as mudanças realizadas no aeroporto.   No entanto, só um item do pacote de medidas anunciado em 2007 para aumentar a segurança continua em vigor: o número de pousos e decolagens, que antes da tragédia do vôo 3054 da TAM chegava a 44 por hora, hoje é de 30 para a aviação comercial e 4 para a geral (táxis aéreos e jatos executivos). O terminal, porém, continua a ser um dos mais movimentados do País - só atrás de Cumbica, em Guarulhos.    Jobim assumiu o cargo há um ano, depois do acidente da TAM - em 17 de julho de 2007 -, prometendo um choque de gestão no setor aéreo. Mas em janeiro as restrições em Congonhas começaram a ser revistas. O ministro decretou a "inviabilidade técnica" da terceira pista de Cumbica, revogou a norma que proibia escalas e conexões em Congonhas (apontadas como culpadas pelo colapso da malha aérea) e recuou da decisão de vetar chegadas e partidas de vôos para mais de 1,5 mil quilômetros de distância.   "Congonhas opera muito próximo do limite da segurança", diz Respício do Espírito Santo Filho, professor de Transporte Aéreo da UFRJ e presidente do Instituto Cepta, especializado em estudos do transporte aéreo. "Ali não há margem para erros."   (Com informações de Diego Zanchetta, Bruno Tavares e Rodrigo Brancatelli, de O Estado de S. Paulo)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.