Ar piorou em 38% das cidades de SP monitoradas pela Cetesb em 2010

Estado tem 159 municípios com ar considerado saturado por causa do poluente ozônio

Paulo Saldaña, O Estado de S. Paulo

21 de junho de 2011 | 23h00

SÃO PAULO - O Estado de São Paulo tem 159 municípios com ar considerado saturado por causa do poluente ozônio (O3) - ou 60% das cidades monitoradas pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb). Os dados entre 2008 e 2010, que constam em classificação elaborada pela Cetesb sobre a severidade do ar, mostram ainda que a qualidade do ar piorou em 38% das cidades, em comparação com o estudo realizado em 2009.

 

A poluição é medida em 42 estações espalhadas na capital, Região Metropolitana, Baixada Santista e regiões industrializadas. Os municípios em um raio de 30 km de onde ocorre a medição recebem a mesma avaliação. Entre as cem cidades em que houve piora do ar, 45 passaram do nível "não saturada" para quase saturada. O restante tornou-se saturada. A saturação é subdividida em três níveis: moderada, séria e severa. Cinquenta cidades têm grau severo. Sete também apresentam saturação por Material Particulado (MP) - os dois elementos são, hoje, os principais vilões da poluição.

 

Desde 2008, a Cetesb classifica a saturação do ar no Estado para condicionar a liberação de licenças para empreendimentos nessas áreas à implementação de programas contra a poluição. Uma cidade é considerada com ar saturado se for apurado pelo menos um dia com poluição acima do padrão traçado.

 

No caso de novas empresas e indústrias, a Cetesb obriga uma compensação mais criteriosa nas cidades em que há saturação. "Se determinada indústria vai ter emissões significativas de um poluente saturado na região, terá de compensar toda essa poluição e 10% mais", explica o gerente de Qualidade Ambiental da Cetesb, Carlos Komatsu. "Pode instalar equipamentos técnicos ou renovar a frota de carros da prefeitura", exemplifica.

 

 

Ozônio e secura. O número de cidades com ar saturado por conta do ozônio teve aumento de 14% em relação ao ano anterior. Para a Cetesb, o aumento se explica por causa de condições desfavoráveis do clima em 2010. "Houve um período de inverno muito seco e grandes períodos de insolação, que favorecem a formação do ozônio", afirma a gerente da Divisão de Qualidade do Ar, Maria Helena Martins.

 

O ozônio se forma a partir de reações químicas entre óxidos de nitrogênio e compostos orgânicos voláteis na incidência de luz solar. Quando a qualidade do ar está ruim por ozônio, pessoas com doenças respiratórias têm os sintomas agravados. As pessoas podem apresentar ardor nos olhos, nariz e garganta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.