'Aqui em Ilhéus está todo mundo aflito'

"A greve foi anunciada anteontem e as pessoas já ficaram inseguras. Parou tudo mesmo. Logo à noite, houve um assassinato: um taxista morreu esfaqueado. Os bandidos foram para as ruas fazer saques em supermercados, assaltos. Em Itabuna, cidade aqui próxima, foi ainda mais intenso. Lá, morreram quatro pessoas em menos de 24 horas.

O Estado de S.Paulo

04 de fevereiro de 2012 | 03h01

Aqui em Ilhéus ainda há lojas fechadas. Lanchonetes da orla colocaram avisos na porta, culpando a falta de segurança por estarem fechadas. Anteontem, fechou tudo e eu até me assustei. Nunca vi isso. Moro no centro, na Avenida Canavieiras, que é o centro comercial, mas estava tudo vazio.

Nessa época chegam vários cruzeiros e ontem os passageiros de um deles não puderam desembarcar. O cenário aqui em Ilhéus é de total insegurança, as pessoas não têm esclarecimento sobre o que está acontecendo. São apenas duas viaturas da Polícia Federal fazendo a ronda, o que não garante a segurança. Eu saí às 15 horas e não encontrei ninguém. Só vi um casal caminhando na orla, que geralmente fica cheia no verão. Está todo mundo aflito."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.