Apostas para fazer o sucessor e virar um líder nacional

Ao antecipar o perfil do gasto orçamentário de 2011, Gilberto Kassab acabou revelando, também, quais serão suas prioridades de ação no período que será decisivo para a sucessão municipal de 2012. Ao que parece o orçamento de 2011 busca atingir dois objetivos básicos: responder aos problemas sociais em áreas de políticas públicas que têm sido objeto de críticas contundentes e foram responsáveis pela queda de popularidade do prefeito e preparar a infraestrutura da cidade tanto para o período de chuvas que se avizinha como também para receber a Copa-14.

Análise: Marco Antonio Carvalho Teixeira, O Estado de S.Paulo

29 Setembro 2010 | 00h00

No que se refere ao primeiro objetivo, o crescimento de 73% nos investimentos destinados à Educação pode revelar uma ação incisiva da Prefeitura para pôr fim ao terceiro turno. Vale ressaltar que o atual governo tinha o objetivo de acabar com esse turno ainda em 2008.

Com relação ao segundo objetivo, obras e novos projetos poderão ter um acréscimo de recursos da ordem de 183%. As ações nessa área podem ter dois alcances. O primeiro é minimizar os efeitos das chuvas, cuidando de áreas de risco e da limpeza de córregos e melhorando limpeza urbana e coleta de lixo. O segundo está ligado às ações necessárias para São Paulo receber a Copa-14, o que exigirá intervenções públicas no sistema viário, na melhoria dos espaços de lazer e na construção de parques e praças.

Provavelmente Kassab está buscando chegar ao fim do governo não apenas credenciado para fazer o sucessor, como também para se tornar de fato uma liderança política de envergadura nacional, o que até o presente momento ainda não se concretizou. Para tanto, encerrar o governo transformando sua gestão em vitrine para o País se torna indispensável, sobretudo se permanecer no DEM: um partido que atualmente carece de lideranças de alcance nacional.

PROFESSOR DO DEPARTAMENTO DE GESTÃO PÚBLICA DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS (FGV-SP)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.