Aposentado e menina morrem soterrados por causa das chuvas

Desabamentos aconteceram na Pompeia e no Grajaú; um casal continua desaparecido desde esta madrugada

Daniela do Canto e Ricardo Valota, do estadao.com.br,

21 Janeiro 2010 | 05h41

A chuva da madrugada desta quinta-feira, 21, voltou a deixar vítimas e a causar estragos em São Paulo. O aposentado Roberto de Fazzio, de 75 anos, morreu soterrado em um desabamento na Rua Rifaina, na Pompeia, zona oeste. A terra de um barranco próximo deslizou com as águas da chuva e derrubou a casa da vítima, perto das 2 horas. Por volta das 4 horas, o corpo do aposentado foi retirado do local por equipes do Corpo de Bombeiros.

 

Na região do Grajaú, zona sul de São Paulo, uma menina também morreu na manhã desta quinta-feira, após ser levada para o no pronto-socorro. O desabamento atingiu sete pessoas por volta das 3h15.

 

Quatro pessoas foram socorridas e os bombeiros continuam os trabalhos de resgate a um casal adulto que está desaparecido, segundo relatos de moradores, informou o Centro de Operações dos Bombeiros (Cobom).

 

Também foi registrado o desabamento de um barranco nas proximidades do número 2.000 da Avenida Sumaré, na região de Perdizes, zona oeste. A terra atingiu o trailer onde mora o caseiro José Pereira de Oliveira de 58 anos. Ele dormia no momento do acidente, pouco depois das 3 horas.

 

Oliveira acordou com o estrondo do deslizamento e conseguiu deixar o trailer pela parte de trás. Ele sofreu apenas pequenas escoriações nas mãos. "Eu vivi de novo. Dou graças a Deus que eu e o meu cachorro, o Mailon, estamos vivos", disse o caseiro.

 

Oliveira mora no trailer instalado no local há quatro anos e afirma nunca ter enfrentado problemas com a chuva. "Eu não esperava isso (o deslizamento).

 

Meu documentos e tudo o que eu tenho está lá dentro. Nem sei direito o que eu perdi de vez. Mas mesmo assim acho que tive sorte de escapar", avaliou.

 

 

Alerta

 

Às 4 horas, o Centro de Gerenciamento de Emergências decretou estado de alerta na Marginal do Tietê em razão do transbordamento do rio Tietê nas proximidades da Ponte do Limão, na zona norte. O mesmo foi decretado na região da Vila Formosa, na zona leste, em decorrência do transbordamento do Rio Aricanduva. A região do Ipiranga continua em estado de alerta desde as 2h45 em razão do transbordamento do córrego na Avenida Professor Abraão de Morais. Já saíram deste estado as regiões do Butantã (oeste) e Campo Limpo (sudoeste).

 

A chuva provocou pelo menos 40 pontos de alagamento em toda a cidade. Vias como as avenidas Santo Amaro e 23 de Maio, na zona sul, e o cruzamento da Avenida Francisco Matarazzo com a Avenida Pompeia, foram interditadas totalmente devido ao volume de água. Motoristas que tentaram enfrentar os alagamentos acabaram tendo de empurrar os seus carros.

 

Em diversas ruas e avenidas da cidade, veículos ficaram submersos na água, como no caso das imediações do Tribunal de Contas, na região da Vila Mariana, zona sul. Quatro pessoas foram resgatadas de dentro dos carros por policiais militares e guardas civis metropolitanos (GCMs). Nenhuma delas ficou ferida.

 

Uma equipe de quatro GCMs resgatou um casal de idosos de dentro de um Fox prata e uma jovem que estava em uma Strada vermelha, na Rua Ascendino Reis. Os guardas entraram na água, que já atingia mais de um metro de altura, e levaram as vítimas no colo até um local seguro.

 

Já os PMs precisaram de um bote para resgatar uma mulher de dentro de uma Pajero na esquina das avenidas 11 de Junho com Rubem Berta. No local, mais uma carro, de modelo não identificado pelos policiais, ficou submerso, mas os ocupantes conseguiram sair antes que a água invadisse o veículo.

 

 

Texto atualizado às 9h37 horas.

Mais conteúdo sobre:
chuva alagamento deslizamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.