Após tumulto na madrugada, lojas do Brás abrem as portas

Sete pessoas foram presas durante confronto entre vendedores ambulantes e policiais nas ruas do bairro

Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

30 de agosto de 2007 | 08h23

Depois de uma madrugada com conflitos entre camelôs e policiais, quando uma loja chegou a ser incendiada, lojistas da região do Brás começaram a abrir as portas por volta das 8 horas desta quinta-feira, 30. Por volta das 2 horas, vendedores ambulantes começaram a montar a Feirinha da Madrugada e a Tropa de Choque foi chamada para impedir, já que as barracas estão proibidas desde o dia 17 de agosto. Os vendedores que não tem o Termo de Permissão de Uso (TPU) não podem montar mais as barracas nas ruas Oriente, Monsenhor de Andrade e Barão de Ladário, mas nesta madrugada cerca de 400 ambulantes resolveram montar a Feirinha da Madrugada. Alertados com a chegada de várias equipes da PM e da Guarda Civil Metropolitana (GCM), o clima ficou tenso e os ambulantes passaram a erguer barricadas ao longo da Rua Oriente. Eles atearam fogo em algumas delas e sete pessoas foram presas.  Segundo a polícia militar, vários policiais continuavam no local para garantir a segurança e proibir que novas manifestações fossem feitas, já que alguns camelôs permanecem espalhados pelas ruas do bairro.

Tudo o que sabemos sobre:
camelôs no Brásprotesto de camelôs

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.