Após tiroteio, eleição no sindicato de motoristas é remarcada para o fim de julho

Juíza nega o pedido da oposição para o afastamento do atual presidente, Isao Hosogi, o Jorginho

Caio do Valle, O Estado de S. Paulo

18 de julho de 2013 | 16h05

SÃO PAULO - A eleição para a presidência do sindicato dos motoristas e cobradores de ônibus de São Paulo (Sindmotoristas) ocorrerá na semana que vem. O pleito havia sido suspenso pela Justiça do Trabalho na terça-feira, 16, após um tiroteio na frente da sede da entidade, na região central, deixar dez feridos na semana passada. Mas nesta quinta-feira, 18, a juíza substituta Lávia Lacerda Menendez, da 10.ª Vara do Trabalho de São Paulo, negou o pedido da oposição para o afastamento do atual presidente, Isao Hosogi, o Jorginho.

Com isso, a votação será realizada na quinta e sexta-feira da semana que vem, dias 25 e 26, como havia sido estipulado após o cancelamento da eleição nas datas originais, na semana passada, por causa do tumulto diante do sindicato. A chapa de oposição a Jorginho, que está no poder desde 2004 e que tenta a reeleição, tentou tirá-lo do cargo por vias judiciais, questionando até mesmo a nacionalidade de Hosogi, que nasceu no Japão. Para isso, usou como base uma lei aprovada em 1943, durante o Estado Novo de Getúlio Vargas, que proibia estrangeiros de ocupar esse tipo de posto.

Porém, no entendimento da magistrada, essa lei "não é o que vigora hoje" . Com o advento da Constituição de 1988, eleições sindicais podem ser disputadas por pessoas nascidas no exterior. Esse tipo de entidade, diz a lei, "não se sujeita à vedação de eleição e voto de estrangeiro". A chapa de oposição é encabeçada pelo atual diretor de finanças do Sindmotoristas, José Valdevan de Jesus Santos, o Noventa, que já foi aliado de Jorginho.

Segurança. Nesta sexta-feira, 19, o sindicato deverá se reunir com o Comando da Polícia Militar de São Paulo para discutir medidas de segurança a serem tomadas para a realização das eleições, que ocorrerão nas 32 garagens das empresas de ônibus que operam o serviço na capital paulista. Questões como a rota que as urnas vão fazer até esses locais estarão na pauta. O Ministério Público Estadual (MPE) também deverá acompanhar de perto a realização do pleito.

O mandato de presidente do sindicato dos motoristas dura cinco anos. A atual gestão de Jorginho termina oficialmente em 14 de novembro.

Disputa. A briga pelo comando do Sindmotoristas envolve poder político e a gestão de um orçamento anual de mais de R$ 15 milhões. A oposição diz que o sindicato fraudou a lista de eleitores e que não teve acesso às urnas antes da votação. O sindicato diz que a oposição não quer eleição e que não entregou a lista de mesários no prazo.

A Polícia Civil está investigando o tiroteio no sindicato. Há suspeita de que mais de 30 tiros tenham sido disparados tanto de dentro do sindicato, onde estava Jorginho, quanto de fora, onde estava Noventa.

Mais conteúdo sobre:
Sindmotoristas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.