Rafael Arbex / ESTADAO
Rafael Arbex / ESTADAO

Após TCM, Ministério Público tenta barrar concessão do Pacaembu

Pedido foi anexado a uma ação movida por moradores; Prefeitura diz que edital seguiu todas as normas necessárias

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2018 | 03h00

 O Ministério Público Estadual (MPE) ingressou com pedido de liminar na Justiça para impedir a concessão do Estádio do Pacaembu, na zona oeste de São Paulo, à iniciativa privada. O pedido foi anexado a uma ação civil pública que já está em andamento, proposta pela Associação Viva Pacaembu (que reúne moradores do bairro). O processo está suspenso desde a semana passada, quando o Tribunal de Contas dos Município (TCM) paralisou a concessão – a ação só será retomada após esclarecimentos. 

A manifestação do MPE atendeu ao pedido da juíza Maria Gabriella Spaolonzi, da 13.ª Vara da Fazenda da Capital, que analisa a ação, e havia solicitado a manifestação do órgão para “prosseguimento regular do feito”. Pedir parecer do MPE é procedimento de praxe. 

O processo foi paralisado pelo TCM na véspera da data de abertura dos envelopes com as propostas comerciais das empresas e a juíza deu o tema por “prejudicado”, uma vez que não há mais data para a concessão. A Prefeitura chegou a receber as propostas no dia 16, mas acatou o pedido do tribunal e não abriu os envelopes. 

Há expectativa de que o assunto seja debatido no plenário do TCM na próxima quarta-feira e o processo possa ser retomado. Ao ocorrer isso, a Justiça voltará a analisar caso, e também pode barrar a concessão ou liberá-la, segundo o que decidir a juíza.

Além de TCM e Justiça, a Prefeitura lida ainda com oposição ao projeto vinda do governo do Estado, que tem a propriedade do terreno em que o estádio foi construído. 

Em nota, a Prefeitura disse que “o edital de concessão foi elaborado seguindo normas estabelecidas a partir da análise já feita pelos órgãos de proteção ao patrimônio histórico”. “Além disso, o edital é explícito sobre a necessidade de preservar os bens tombados.” A Prefeitura diz que vai se manifestar sobre o pedido do MPE e lembra que este foi feito no âmbito de uma ação que já teve liminar negada pela Justiça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.