Rafael Paco/Jornal Taperá/Estadão
Rafael Paco/Jornal Taperá/Estadão

Após ser coberto por água preta e pastosa, Rio Tietê é tomado por espuma branca

Segundo SOS Mata Atlântica, fenômeno foi causado pelo contato do fósforo - presente em resíduos de detergentes - com o oxigênio

CHICO SIQUEIRA, O Estado de S. Paulo

28 Novembro 2014 | 16h18

ARAÇATUBA - Após a passagem de uma manta poluidora que deixou as águas pretas, o Rio Tietê, em Salto, foi coberto por uma espuma branca que tomou todo seu leito, entre o final da tarde de quinta e a manhã desta sexta-feira, 28. O fenômeno aconteceu pelo contato do fósforo, presente em saponáceos e detergentes, com o oxigênio da água. 

"O fósforo chega ao rio porque não é totalmente eliminado dos saponáceos, sabonetes e detergentes nas estações de tratamento e, ao entrar em contato com o oxigênio, formou as espumas", diz a coordenadora da SOS Mata Atlântica, Malu Ribeiro. Ela explica que a manta poluidora, que deixou as águas escuras e pastosas, reduziu a zero a presença de oxigênio. "Com a passagem dessa manta, o oxigênio foi voltando e, em contato com o fósforo, foram criadas as espumas", explicou Malu.


A espuma já desapareceu. No entanto, a manta, formada por materiais sólidos e possivelmente lodo, continuou descendo rio abaixo, sem se dissolver ou assentar no fundo. Malu afirmou que o fenômeno que escureceu e tornou pastosa a água do Rio Tietê, em Salto, é um acidente de grandes proporções causado por uma manta poluidora de 70 quilômetros de extensão.

O acidente, segundo ela, causará enormes prejuízos materiais, ambientais e econômicos para os municípios ribeirinhos, além de obrigar os órgãos de proteção do rio a adotarem medidas mitigadoras para evitar a reincidência. Além de matar peixes e poluir a água, o acidente causa retrocesso nas conquistas dos municípios de trazer de volta a fauna que habitava o rio e que havia fugido com a chegada da poluição no Médio Tietê. 


"Os prejuízos econômicos serão grandes principalmente para as colônias de pescadores da região de Conchas até Barra Bonita e para agricultores que usam a água do Tietê para irrigação ou alimentação do rebanho", afirmou.

A Cetesb, que nesta quinta-feira classificou de água escura e pastosa de um fenômeno normal, foi procurada novamente para se manifestar sobre o assunto e informou que se posicionaria nesta tarde.

Mais conteúdo sobre:
Crise da água

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.