REPRODUÇÃO|FACEBOOK
REPRODUÇÃO|FACEBOOK

Após ser assaltado, gay pede ajuda a homem e é agredido

Ao ver o rapaz tentando deter o suspeito, motorista desceu do carro e o espancou até ele desmaiar; 'não quero gay brigando na frente da minha casa', teria dito o agressor

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

15 Janeiro 2017 | 18h31


SÃO PAULO – Após ser vítima de um assalto na manhã deste domingo, 15, no centro de São Paulo, o gerente de uma boate LGBT Rodrigo Ambrogi, de 19 anos, correu atrás de um dos ladrões, conseguiu imobilizá-lo e pediu ajuda a um homem que saía da garagem de um prédio na Bela Vista. Segundo conta, o rapaz, que aparenta ter 30 anos, desceu do carro e o espancou até ele desmaiar. “Não quero gay brigando na frente da minha casa”, teria dito o agressor à vítima.

Ambrogi trabalha na Rua Peixoto Gomide e costuma ir comer um cachorro-quente por volta das 5 horas, pouco antes de fechar o estabelecimento. Fez o mesmo na manhã deste domingo, mas acabou abordado por um grupo que, segundo conta, roubou seu celular. “Quatro caras me assaltaram, esvaziaram meu bolso”, diz.

Cercado, Ambrogi chegou a ser agredido pelos assaltantes. Após perceber que a vítima apresentava ferimentos no rosto, um grupo de jovens que saía da boate cercou os suspeitos e ligou para a Polícia Militar.  “Tentamos esperar lá, mas um dos rapazes saiu correndo e Rodrigo foi atrás dele”, relata uma testemunha, o estudante Kaique Santos, de 19 anos, que também saiu em disparada.

Ambrogi conseguiu deter o suspeito na esquina da Rua Herculano de Freitas com a São Miguel, próximo ao Shopping Frei Caneca. Eram 5h20. Nesse momento, um carro branco saía de um prédio da região, ocupado por um homem, uma mulher e um rapaz, segundo testemunhas. O gerente afirma que tentou pedir ajuda. “O cara simplesmente colocou o carro mais para frente, saiu e começou a socar o meu rosto. Eu desmaiei e não lembro de mais nada”, conta.

“Vocês estão fazendo muito barulho a essa hora”, teria dito o homem assim que desceu do veículo, segundo conta a testemunha Santos. “Ele deu uns tapas no assaltante e depois saiu batendo no rosto do Rodrigo”, relata. “Ele me ameaçou, mas como eu recuei, não fez nada comigo.” Em meio a confusão, o suspeito do roubo fugiu.

“O homem só parou quando o Rodrigo apagou. Pelo que disseram, a moça que estava no carro dizendo que ‘já estava bom’ e pedindo para ele parar”, diz a prima da vítima, Dayane Ambrogi Eguthi, de 28 anos. Desacordado, Ambrogi foi socorrido por um segurança da boate, que o levou ao Hospital Santa Casa, também no centro. A vítima sofreu fratura no nariz, ficou com hematomas pelo corpo e recebeu alta nesta tarde.

Familiares da vítima foram até o local e conseguiram levantar imagens de câmeras de segurança. Testemunhas reconheceram o agressor como sendo um homem forte e de barba, que usava uma camiseta e um boné. O caso foi apresentado no 2º Distrito Policial (Bom Retiro).

Ato. Ativistas LGBT marcaram uma manifestação para a tarde desta segunda-feira, 16, na Estação D. Pedro II, onde o ambulante Luis Carlos Ruas, de 54 anos, foi assassinado após defender duas travestis. Marcado para as 13h, o ato também será em memória de Itaberlly Lozano, jovem gay de 17 anos, morto pela mãe em Cravinhos, no interior de São Paulo. Ele teve o corpo carbonizado pelo padrasto.

Em novembro do ano passado, o Estado revelou que uma média de 98 crimes de homofobia são registrados a cada mês em São Paulo. Os dados foram reunidos pela Secretaria da Segurança Pública (SSP) a partir de novembro de 2015, quando passou a ser obrigatório notificar se a ocorrência envolvia algum tipo de intolerância.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.