Após roubo, R$ 700 mil desaparecem da Protege

Ninguém sabe onde está parte do dinheiro roubado de empresa de valores; R$ 13,5 milhões foram recuperados em ônibus de fundo falso

WILLIAM CARDOSO, O Estado de S.Paulo

17 Outubro 2012 | 03h02

atualizada às 11h36 

A polícia ainda não tinha recuperado até esta terça-feira, 16, cerca de R$ 700 mil dos R$ 14,2 milhões retirados por ladrões no último domingo de um cofre da transportadora de valores Protege, em Santo Amaro, zona sul de São Paulo. A polícia já havia encontrado R$ 13,5 milhões. 

A suspeita é a de que o dinheiro que falta tenha ficado nas tubulações de esgoto usadas pelos bandidos durante a fuga. Nesta quarta-feira, 17, a empresa admitiu que parte do montante não foi encontrado. A primeira versão era de que todo o dinheiro havia sido recuperado.

A informação foi divulgada nesta terça-feira, 16, à tarde pelo titular da 5.ª Delegacia do Patrimônio (Roubo a Banco) do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), Celso Marchiori. "O dinheiro estaria dentro do túnel e da rede de esgoto, porque quando os bombeiros foram fazer uma varredura o nível do rio subiu e, consequentemente, o nível do esgoto também."

Segundo o delegado, a diferença não está nas mãos da quadrilha. "Pelo que se sabe, os ladrões não levaram nada. O que está faltando deve ter se perdido na fuga alucinada."

Bombeiros acompanhados de policiais civis retornaram ontem até a tubulação para tentar encontrar o dinheiro deixado para trás pelos criminosos. Segundo Marchiori, nada foi localizado até as 19 horas.

Ajuda. Segundo Marchiori, os bandidos foram ousados e contaram com especialistas e informação privilegiada para realizar o assalto. "Precisa de uma pessoa para financiar a empreitada criminosa e de um especialista em túnel. Com certeza também contaram com a colaboração de alguém. Não tem como fazer um túnel e furar direitinho no lugar certo", afirmou. De acordo com o delegado, ex-funcionários que conheciam exatamente a localização do cofre podem ter ajudado os bandidos.

Para chegar ao local, ladrões usaram a rede de esgoto e depois cavaram um túnel até o cofre. Eles usaram botes infláveis e roupas de mergulho. A quadrilha de 15 pessoas foi surpreendida por PMs quando deixava o local. Houve perseguição e troca de tiros. Dois ladrões foram mortos pela PM e um terceiro pelos próprios comparsas, ao ser arrastado pelo ônibus usado na fuga. O bandido que dirigia o coletivo foi preso, após trocar tiros com a polícia. Os outros fugiram.

O ônibus com fundo falso foi estacionado sobre uma entrada da tubulação de esgoto e usado para dar cobertura à escavação do túnel. "Os criminosos têm um poder de inovação tremendo", analisou Marchiori. "Usar casa já estava manjado, porque os próprios vizinhos desconfiam e chamam a polícia. Mas ônibus é algo inédito."

 

Mais conteúdo sobre:
protegeroubo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.