Após roubo em Moema, dupla é pega em feijoada

Detento do semiaberto aproveitava o dia para assaltar e à noite voltava à prisão; ontem, atacou restaurante e hotel

CAMILLA HADDAD , JULIANA TAMDJAN, O Estado de S.Paulo

25 Outubro 2012 | 03h01

De dia, o assaltante conhecido como "Das Trevas", de 30 anos, roubava restaurantes e hotéis chiques da zona sul com um comparsa. À noite, voltava à cadeia, onde cumpria pena em regime semiaberto. Essa era a rotina de Luiz Carlos Mendonça, ao lado de Wagner Ferreira, ambos de 38 anos.

Os dois foram presos ontem após roubarem restaurante japonês e hotel em Moema. A polícia monitorava os dois havia um mês e eles foram pegos comendo feijoada no Piqueri, zona oeste, em comemoração aos dois assaltos.

Para entrar nos locais, o disfarce dos bandidos era sempre igual: uniforme da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Para completar, guias de ordem de serviço com o timbre da estatal, coletes e até carimbos e crachás com foto.

Em um vídeo gravado ontem pelos policiais, a dupla aparece dizendo que havia achado as ordens de serviço na rua e depois tirado cópia do documento.

Ontem, com o papel falso em mãos, os dois conseguiram enganar o dono de um restaurante na Avenida Sabiá bem na hora do almoço. Eles alegaram que iam verificar o hidrômetro do comerciante e roubaram o caixa e celulares de quem almoçava ali. Depois, foram para a Rua Domingos de Morais e atacaram pessoas na recepção de um hotel. Para chegarem ao local, Ferreira e Mendonça, o Das Trevas, se passaram por funcionários da Sabesp.

"Eles chegavam em um Agile, desciam e mostravam o crachá, falando de uma vistoria", contou o delegado Marcelo Bianchi. Segundo ele, os crimes eram praticados sempre de dia. "Isso porque à noite o 'Das Trevas' tinha de dormir na cadeia." Está sendo checado se o material foi desviado da Sabesp ou furtado. Outros dez crimes podem ter sido cometidos por eles neste mês.

A Secretaria de Administração Penitenciária disse que não tinha tempo hábil para confirmar a unidade prisional de Mendonça. A Sabesp, em nota, informou que não se pronunciará sobre as ocorrências e aguardará as investigações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.