Após reunião com Netinho, jovens anunciam 'rolezinho' no Parque do Ibirapuera

Evento ocorrerá neste sábado, 15, a partir das 15 horas. Mais de 6 mil pessoas já confirmaram presença

Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

13 Fevereiro 2014 | 16h01

SÃO PAULO - Após encontro nesta quinta-feira, 13, com o secretário municipal de Igualdade Racial, Netinho de Paula, os principais 'rolezeiros' de São Paulo anunciaram a volta dos 'rolezinhos' e a criação de uma associação cultural. O próximo 'rolezinho' está marcado para sábado, a partir das 15 horas, no Parque do Ibirapuera, zona sul da capital.

De acordo com o grupo de jovens, os próximos eventos acontecerão em locais públicos, como parques, Clubes Desportivo da Comunidade (CDC) e Céus - os dois ultimos, oferecidos pela Prefeitura após os 'rolezinhos' terem levado milhares de pessoas aos shoppings. Netinho afirmou que a GCM (Guarda Civil Metropolitana) acompanhará o evento no Ibirapuera. "Este é o defecho da missão que me foi dada para mediar os 'rolezinhos' com os jovens. Enquanto não tiver um acordo formal para os eventos acontecerem nos shoppings, eles acontecerão nos espaços públicos oferecidos pela Prefeitura", disse o secretário.

Os 'rolezeiros' afirmaram que foram convidadas, pelas redes sociais, cerca de 56 mil pessoas para o evento no Parque do Ibirapuera, mas a expectativa é de que 6 mil participem.

Antes do horário marcado, às 12 horas, ocorrerá, também no Ibirapuera, uma reunião dos jovens com representantes do Ministério Público e da Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) para discutir a volta dos 'rolezinhos' nos espaços de compra, com data marcada, periodicidade e número máximo de mil participantes. Nos locais públicos, a capacidade seria ampliada para até 6 mil pessoas. Na semana que vem, o grupo apresenta à Prefeitura uma espécie de plano de como seriam esses 'rolezinhos' em shoppings.

Associação. Depois de conversar com Netinho, o grupo anunciou a criação da Associação Cultural Rolezinho Voz do Brasil, que reúne os 60 'rolezeiros' mais populares nas redes sociais - cada um deles tem mais de 25 mil seguidores. Essa associação passará a organizar os próximos eventos. "Esperamos resolver logo essa questão com os shoppings. Mesmo com a associação é difícil controlar todos os eventos que são marcados pelas redes sociais. Se não resolver logo, vão continuar marcando rolezinho em shopping", afirmou MC Chaveirinho, de 20 anos, um dos principais organizadores, que não revela o seu nome. A associação quer dar um caráter social para os eventos, promovendo, por exemplo, eventos para doação de sangue.

Mais conteúdo sobre:
Rolezinho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.