Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Após reportagem, USP revê documento de doação de órgãos

MPE questionava documento de liberação de cadáver que, ao mesmo tempo, permitia doação de órgãos do parente

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S.Paulo

27 Novembro 2015 | 12h59

SÃO PAULO - O Serviço de Verificação de Óbito da Capital (Svoc), órgão ligado à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Fmusp) decidiu alterar seu documento que prevê a doação de órgãos de cadáveres.  O setor recebe em média 14 mil corpos por ano cuja causa da morte precisa ser apurada. Conforme revelou o Estado no mês de junho, o Ministério Público Estadual (MPE) questionava a ação do Svoc por induzir as famílias ao erro ao tratar de "retenção" de órgãos e não "doação", já que estes são encaminhados para estudo e pesquisa das universidades. Entenda o caso. 

Até então, um único papel, com o título "informe aos familiares", previa a liberação do corpo e a doação de órgãos, mesmo sem menção expressa. O MPE mapeou diversos casos de pessoas que tiveram órgãos de seus familiares doados sem que elas soubessem. Agora, a universidade decidiu dividir o procedimento em três: um documento para autorização de uso do corpo, outro de uso de material para estudo e um terceiro esclarecendo o que é a necropsia.

A alteração foi feita após encontros da promotora responsável pelo caso, Eliana Vendramini, e a Comissão de Bioética da universidade. A alteração foi formalizada no dia 3 de novembro e assinada pelo diretor da Fmusp, José Otavio Costa Auler Junior. "Temos prova viva de que as pessoas não sabiam que estavam doando nada. Agora o documento tem título, ficou mais claro", avaliou a promotora. 

 

 

 

 

Mais conteúdo sobre:
SÃO PAULO

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.