Após recorde de congestionamento, trânsito em SP melhora

Pontos de lentidão estão localizados nas zonas leste e oeste; marginais são os piores trechos para se trafegar

Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

29 de janeiro de 2008 | 11h49

Após bater o recorde de congestionamento, às 9h36, com 137 quilômetros de ruas e avenidas com tráfego parado, o trânsito em São Paulo começou a dar sinais de melhora. Segundo medição da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), às 11h43 foram registrados 114 quilômetros de lentidão, a maioria localizada nas zonas leste e oeste de São Paulo.   As Marginais do Tietê e do Pinheiros continuavam os piores trechos para se trafegar. A pista expressa, sentido Castelo Branco, da Marginal do Tietê somava um pouco mais de oito quilômetros, entre o trecho das pontes Cruzeiro do Sul e Imigrante Nordestino.   No mesmo sentido, a pista local também estava com cerca de oito quilômetros de trânsito lento entre a Rua Massinet Sorcinelli e Ponte Aricanduva. Na Marginal do Pinheiros, a lentidão se concentrava na pista expressa, sentido Interlagos, entre as pontes Cidade Universitária e Castelo Branco, com quase seis quilômetros de morosidade.   Alagamentos   Por volta das 11h30, o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) registrava 15 pontos de alagamentos, todos transitáveis, em toda a cidade, por conta da chuva que cai sobre São Paulo desde a noite desta segunda-feira, 28. O estado de atenção permanecia nas zonas sul, sudeste e marginal Pinheiros.   A pista central sentido litoral da Via Anchieta, na altura do km 13, continua interditada por conta do risco de transbordamento do Ribeirão dos Couros, na divisa entre São Paulo e São Bernardo do Campo.   De acordo com a Ecovias, concessionária que administra a rodovia, o tráfego está sendo desviado para a pista marginal sul e não há lentidão no momento. A pista central norte em direção à capital permanece com trânsito liberado.

Tudo o que sabemos sobre:
Trânsito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.