Após prisão por seqüestro, Rafael Ilha é transferido de DP

Ex-Polegar foi preso por tentar levar, na marra, uma mulher para sua clínica de recuperação

Elvis Pereira, estadao.com.br

02 de julho de 2008 | 11h01

O ex-integrante do grupo Polegar, Rafael Ilha Alves Pereira, de 35 anos, foi transferido na manhã desta quarta-feira, 2, para o 2º Distrito Policial, do Bom Retiro, no centro da capital. Lá, ele aguardará a abertura de uma vaga no sistema prisional. Rafael foi preso na noite de terça, 1º, na Bela Vista, sob a acusação de tentar levar, à força, uma mulher para sua clínica de reabilitação de dependentes químicos em Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo.  Veja tambémEx-Polegar é preso por tentativa de seqüestro no centro de SP Com ele, foram detidos Neusa Camargo Antunes, de 43 anos, e Cristiano da Silva Andrade, de 25 anos. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), os três foram autuados por seqüestro e cárcere privado e formação de quadrilha. Ilha responderá ainda por usurpação de função pública, pois trajava uma camiseta do Denarc e teria se apresentado como policial. Andrade também foi levado ao 2º DP e Neusa, funcionária da clínica, será transferida para o 97º DP.  Ilha contou à polícia que recebeu uma ligação do marido de Karina, Pedro José de Santana Vaz, que está no Amapá. Vaz teria solicitado ajuda por sua esposa ser usuária de drogas. Na saída do 5º DP, onde o caso foi registrado, o ex-Polegar tentou se explicar. "Ninguém ia levar ela à força. Eu só ia fazer o trabalho de abordagem e prevenção para saber se ela estava bem ou mal e se necessitava de ajuda ou internação", afirmou Ilha à Rede Record. Andrade contou ser paciente da clínica há 4 meses e disse ter aceito um convite para "passear".

Tudo o que sabemos sobre:
Rafael Ilha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.