Paulo Liebert/AE
Paulo Liebert/AE

Após pressão de lojistas, CET recria 108 vagas de Zona Azul em Moema

Comerciantes contabilizam perdas nas vendas desde abril de 2010, quando foram retiradas 3.850 paradas gratuitas em todo o bairro

Márcio Pinho, O Estado de S.Paulo

24 Janeiro 2011 | 00h00

A Prefeitura de São Paulo decidiu recriar 108 vagas - todas de Zona Azul - em cinco vias de Moema, na zona sul, onde a possibilidade de estacionar foi abolida em abril de 2010. No total, na época, a Prefeitura tirou 3.850 vagas gratuitas, o que causou críticas por parte dos comerciantes, que alegam prejuízos, e moradores.

A decisão da Prefeitura foi tomada após reunião entre os comerciantes e técnicos da Secretaria dos Transportes e a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), realizada em dezembro. Desde então, foram recriadas 98 vagas nas vias Sabiá, Cotovia, Lavandisca, Ministro Gabriel Rezende de Passos e Rouxinol - esta ainda receberá outras dez.

As novas vagas representam menos de 3% das paradas gratuitas retiradas do bairro, que tem hoje 1.482 vagas de Zona Azul. Os comerciantes alegam que as 108 vagas são "muito pouco" para os problemas que vêm enfrentando. Placas anunciando a venda de imóveis que antes abrigavam lojas são comuns. Segundo o Movimento pelo Direito de Estacionar em Moema, pelo menos 30 lojas fecharam as portas.

"O bairro ficou com um déficit de quase 3 mil vagas. O número criado agora pela Prefeitura ainda é muito baixo", afirma Marcelo Sampaio, que faz parte do movimento.

A CET informou que a recriação de vagas foi feita para "evitar prejuízos aos diversos segmentos que têm ligação com o bairro e conciliar os interesses entre transporte público, motoristas, pedestres e moradores." A companhia afirma que a eliminação das mais de 3 mil vagas no ano passado foi para "otimizar e aumentar o uso das vias públicas e melhorar as condições de circulação e segurança". A fluidez do trânsito melhorou 40%, segundo o órgão. E as alterações hoje não se limitam à criação de vagas. A Alameda Jauaperi e a Avenida Sabiá perderão 28 vagas.

Além do prejuízo para o comércio, o movimento de comerciantes alega que o trânsito não era caótico fora do horário de pico. "Trabalho na Maracatins há 18 anos. Não tinha esse trânsito todo para tirar as vagas", diz Renato Negri Filho, que contabiliza perdas de 40% nas vendas.

Já nas ruas onde foram recriadas vagas, os negócios começam a voltar ao normal. "O movimento caiu 30%. Agora estamos conseguindo retomar", diz o comerciante Wanderley Dugo.

ONDE ESTÃO

Avenida Cotovia (entre R. Inhambu e Al. Jauaperi)

Antes: proibido estacionar em ambos os lados

Agora: Zona Azul na esquerda

Av, Rouxinol (entre R. Inhambu e Al. Jauaperi)

Antes: proibido nos dois lados

Agora: Zona Azul na esquerda

Av. Lavandisca (entre R. Inhambu e Al. Jauaperi)

Antes: proibido nos dois lados

Agora: Zona Azul na esquerda

Av. Sabiá (entre R. Inhambu e Al. Jauaperi)

Antes: proibido nos dois lados

Agora: Zona Azul nos dois lados

Av. Min. Gabriel de Rezende Passos (entre Al. dos Arapanés e Av. Ibirapuera)

Antes: proibido no lado direito

Situação atual: Zona Azul no lado direito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.