Após pesquisa, Doria volta a falar de Cracolândia e critica Ministério Público

Após pesquisa, Doria volta a falar de Cracolândia e critica Ministério Público

Prefeito disse que "governa para a maioria silenciosa" e defendeu a continuidade do trabalho na região

Isabela Palhares, O Estado de S. Paulo

03 de junho de 2017 | 13h31

SÃO PAULO - O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), voltou a falar sobre as ações na Cracolândia na manhã deste sábado, 3, após pesquisa mostrar que a maioria da população apoia a operação feita no local. O Datafolha mostrou que 80% dos paulistanos defende a internação à força de usuários de crack e 60% foram favoráveis à ação policial. 

"Eu tenho evitado fazer comentários sobre a cracolândia, mas sobre a pesquisa eu comento sim. Não governamos para aqueles que são do grito, governamos para a maioria silenciosa", disse o tucano, durante a 23ª ação do programa Cidade Linda que foi realizada na avenida República do Líbano, na zona sul da capital. 

"O resultado da pesquisa reflete um bom sentimento, a atitude correta da Prefeitura. Não é um sentimento partidarizado, ideológico ou de ódio. É o sentimento de amor à pessoas, é tratar corretamente quem sofre com as drogas. Vamos seguir nosso trabalho, não tem volta, não tem covardia", disse o prefeito, que tem defendido a internação à força dos usuários de drogas - a medida foi barrada pelo Tribunal de Justiça.  

As posições da Prefeitura têm sido alvo de críticas do Ministério Público e Defensoria Pública do Estado. Na manhã deste sábado, o prefeito criticou o MP. "O fato de ser o Ministério Público  não significa que eles tenham necessariamente a razão, o órgão precisa agir com mais consciência, mais equilíbrio", disse. 

Na sexta-feira, 2, a Promotoria de Habitação e Urbanismo ingressou com uma ação civil pública para impedir que a gestão Doria inicie a implementação de um projeto urbanístico na região da cracolândia sem a participação popular e para evitar que moradores sejam retirados da região. Na semana passada, o Tribunal de Justiça aceitou liminar da Defensoria Pública e proibiu as remoções e demolições na região sem aviso prévio, sob pena de multa diária de R$ 10 mil. 

Pesquisa. A maioria dos moradores de São Paulo aprova a maneira como foi feita a operação policial na Cracolândia e defende a internação à força para tratamento de usuários de crack, apesar de acreditar que não é possível solucionar o problema na cidade, segundo o Datafolha. 

O desempenho de Doria na ação é visto como ótimo/bom por 48% das pessoas - 23% consideraram ruim péssimo. Enquanto o desempenho de Alckmin é avaliado como ótimo/bom por 29% e ruim por 33% delas. 

de crack na cidade. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.