Após paralisia de trabalhos, Câmara de SP retoma votação

Vereadores passaram quase 3 horas em plenário e aprovaram 28 projetos a maioria sobre concessão de títulos de cidadão paulistano

Adriana Ferraz, O Estado de S. Paulo

09 Setembro 2014 | 20h03

SÃO PAULO - Um dia após o Estado revelar a paralisia dos trabalhos na Câmara Municipal durante o período eleitoral, os vereadores paulistanos passaram quase 3 horas em plenário nesta terça-feira, 9 - recorde do semestre. Na segunda-feira, reportagem mostrou que, em 37 dias, os parlamentares haviam passado apenas 10 horas em plenário e, desde o fim do recesso de julho, tinham votado um único projeto, que autorizou uma homenagem da Casa aos cem anos do Palmeiras. 

Nesta terça, o tempo foi usado para a votação de 28 projetos, todos de autoria de vereadores. A maioria diz respeito à concessão de títulos de cidadão paulistano. Foram aprovados 12 propostas do gênero, além de outras cinco salvas de prata e duas medalhas Anchieta. Na lista de homenageados estão médicos, um coronel da PM, um pastor e algumas instituições, como a Casa do Zezinho e a União Brasileiro - Israelita do Bem-Estar Social, entre outros.

Na retomada das votações em plenário, os vereadores também deram aval para novas denominações de ruas, praças e equipamentos de saúde, para inclusão de eventos no calendário oficial da cidade e para uma mudança na legislação que pode permitir com que cooperativas firmem parcerias com o poder público - esse último ainda precisa passar mais uma vez pelo plenário para ser encaminhado à sanção do prefeito Fernando Haddad (PT). 

O teor da votação confirmou a falta de acordo entre os partidos para votação de temas do Executivo. Um série de projetos de Haddad continua na fila, como a abertura de um programa de parcelamento de dívidas que pode render R$ 1 bilhão aos cofres municipais.

Mais conteúdo sobre:
Câmara de São PauloSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.