Após onda de crimes, até PM à paisana vai reforçar a segurança em Perdizes

De janeiro a abril, foram pelo menos 33 assaltos em apenas duas ruas do bairro; na terça, comerciante foi morto por ladrão de carro

Camilla Haddad, O Estado de S.Paulo

14 de maio de 2010 | 00h00

A PM inicia hoje um reforço no patrulhamento do bairro de Perdizes, zona oeste de São Paulo, após dois assaltos em que uma pessoa ficou ferida e uma morreu, ambos na Rua Apinajés. Na terça-feira, um comerciante foi assassinado a tiros; na semana anterior, uma jovem foi baleada após entregar seu carro a um ladrão. De janeiro a abril, ao menos 33 assaltos foram registrados em duas ruas da região.

Dados da polícia mostram que de 1.º de janeiro até ontem, 18 pessoas foram roubadas só na Rua Tucuna. O número de casos aumentou em relação a igual período do ano passado, quando 14 ocorrências chegaram às delegacias. Na Rua Turiaçu foram contabilizados 15 casos no período.

Assustados com os crimes, associações de moradores e até a Pontifícia Universidade Católica (PUC), localizada na região, se reuniram com a Polícia Militar e a Polícia Civil para pedir melhores condições de segurança.

O encontro deu resultado. A partir das 7h de hoje soldados e oficiais estarão nas ruas do bairro à procura de criminosos. Serão PMs à paisana, homens da Força Tática e da Rondas Ostensivas com Apoio de Motocicletas (Rocam). A tropa patrulhará endereços como as Ruas Tucuna, Aimberê, Apinajés, Desembargador do Vale e Caiová. A operação não tem prazo.

O major Gilberto Hernandes, do 23.º Batalhão da PM, diz que dos 18 roubos na Tucuna, dois foram a pedestres e nos restantes as vítimas tiveram o carro levado ao estacionar. "Não vejo descontrole (na criminalidade), apesar do aumento", diz. "Perdizes não está acometido por uma onda criminosa", afirmou. Segundo o oficial, a operação foi elaborada para atender à necessidade da população que requer presença da polícia. "Queremos devolver a sensação de segurança e reduzir os números que já estão bons", diz Hernandes.

Iluminação. Luminárias dos postes cobertas por árvores, arbustos nas calçadas, lâmpadas queimadas e até a topografia da região. Esses são alguns dos itens que, segundo a Polícia Militar e especialistas em segurança, podem favorecer a ação de criminosos em Perdizes. Segundo o major Hernandes, o ladrão prefere agir ali porque as vias com subidas e descidas fazem com que ele não fique tão visível aos PMs.

O policial afirma que já fez alertas à Prefeitura sobre casos de poda e iluminação. O Departamento de Iluminação Pública (Ilume) informou que será enviada uma equipe ao local para verificar o que é possível ser feito.

Já a Polícia Civil afirma estar realizando operações nas ruas do bairro para conter a violência. O delegado Paul Verduraz, do Setor de Investigações Gerais (SIG) Oeste, diz que policiais têm atuado na área.

Horários. Uma avaliação feita com base nos boletins de ocorrência registrados na Rua Tucuna mostra que os ladrões atacam as vítimas sozinhas, entre as 19 horas e as 21 horas, quando elas param seus veículos na porta dos prédios.

Nessas ocorrências, o suspeito está acompanhado de mais um comparsa e sempre está armado. Além do veículo, ladrões levam celulares, carteiras dos homens e bolsas das mulheres.

PRESTE ATENÇÃO...

1. No horário. A Polícia Militar começa hoje, às 7 horas, uma operação em Perdizes que envolve reforço de soldados. A medida não tem prazo para terminar

2. Ao parar. Quando notar alguma anormalidade ao estacionar o carro, tente outra vaga. Fique atento também a tudo que ocorre no entorno

3. No local. Evite sempre parar em lugares próximos a bancas de jornais, que podem até servir como esconderijos de criminosos

4. Ao sair do carro. Quando for esperar alguém descer de um prédio, desça do veículo, tranque a porta e fique o mais longe que puder

5. No tempo. Procure também não permanecer dentro do carro quando ele estiver estacionado. Isso pode facilitar a ação dos criminosos

6. Na saída rápida. Ao pegar o carro, não demore muito. Coloque o cinto e dê partida. Não mexa no rádio, no celular ou em outros acessórios

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.